All posts under: Cultura

O Governo do Rio Grande do Norte lançou, nesta terça-feira (19), o Circuito Estadual de Exposições Agropecuárias 2019 e, durante solenidade, empossou a nova diretoria da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn). O evento foi realizado na sede da Emparn em Parnamirim.

No total, o calendário apresenta datas para 15 feiras agropecuárias em todas as regiões do Estado abrangendo os municípios de: São Paulo do Potengi, Currais Novos, Lagoa Nova, Caicó, Coronel Ezequiel, Afonso Bezerra, Jardim do Seridó, Caraúbas, Assú, Mossoró, Lajes, São José de Mipibu, Parnamirim, Goianinha e Natal. Para a realização de sete eventos, está assegurado o investimento de R$ 800 mil do Programa Governo Cidadão, viabilizado pelo Banco Mundial.

A governadora Fátima Bezerra enfatizou a importância do calendário ao dizer que a promoção desses eventos reafirma o compromisso do Governo com o produtor rural. “Mesmo com o decreto de calamidade financeira fiscal do Estado, entendemos que as feiras agropecuárias são muito importantes porque geram renda e movimentam a economia do estado além de contribuir para o intercâmbio de negócios e conhecimento entre os produtores potiguares e de estados vizinhos”, destacou ao afirmar que há muito o que ser feito pelos agropecuaristas potiguares.

O circuito terá inicío no dia 11 de abril, com a realização da 22ª ExpoPotengi, em São Paulo do Potengi, e término no dia 15 de novembro, com a realização da 16ª Feira Nacional do Camarão – Fenacam, no Centro de Convenções de Natal. “Quem reside no interior sabe a verdadeira importância de eventos deste tipo não só para o município como para a região”, destacou o prefeito de São Paulo do Potengi e presidente da Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte (Femurn), José Leonardo Cassimiro de Araújo (Naldinho).

Representando a Assembleia Legislativa, a deputada Isolda Dantas lembrou as parcerias com as universidades, Ufersa e Uern, que podem contribuir de forma decisiva para o sucesso do RN que passa pelo setor agropecuário do estado. “A Emparn, sei que já faz, mas precisa ampliar o seu olhar para a agricultura familiar. Agricultura, agronegócio e agricultura familiar, são setores que podem ser muito fortes se caminharem juntos. A agricultura familiar representa hoje 70% do que nos alimentamos. É um setor que não apenas produz alimentos como também emprego e qualidade de vida.”

Crédito da Foto: João Gilberto

As cores esfuziantes do artista plástico Flávio Freitas caracterizam a composição de tons mais amenos que marcam o acervo do Memorial da Cultura e do Legislativo Potiguar. Um pouco do trabalho de Freitas, que tem na bagagem a formação de arquitetura e música, é o destaque da terceira edição da Mostra de Arte & Cultura no Memorial (MA&CM), cujo enfoque é projetar o trabalho de artistas potiguares no museu da Assembleia Legislativa.

“A mostra soma os esforços dentro de um novo ciclo para aproximar a sociedade da própria história e cultura. A intenção é manter temas a cada mês, com um expositor diferente, mas sempre potiguar. Flávio Freitas inaugura esse novo ciclo”, explicou Sanderson Plínio, curador do museu.

A MA&CM é parte dos novos esforços da administração do Poder Legislativo para promover o acesso à cultura para a sociedade. Para tanto, o próprio espaço designado no museu para o projeto está passando por roupagem nova, em trabalho de impacto visual com praticamente nenhum impacto financeiro, explica Plínio.

Para abrir a mostra que homenageia o próprio trabalho, Flávio Freitas fala de sua satisfação em expor na Assembleia Legislativa. “Minha grande realização como artista é quando meu trabalho se encontra com o observador e é isso que acontece aqui no Memorial Legislativo. Uma obra de arte visual é carregada de simbolismo e subjetividade e minha satisfação é que as pessoas olhem para a arte e estabeleça uma relação de leitura da obra”, disse Flávio na abertura da mostra que contou ainda com a presença da diretora Administrativa Financeira da Assembleia, Dulcineia Brandão, do diretor de Políticas Complementares, Ricardo Fonseca e de servidores da Casa.

A MA&CM permanecerá com o trabalho de Freitas ao longo de todo o mês de fevereiro. As telas expostas capturam a atenção pela vibração das cores do movimento fauvista. Ao mesmo tempo em que evoca traços pueris, a obra arrebata com inquietações contemplativas.

Serviço

Mostra de Arte & Cultura no Memorial
Expositor: Flávio Freitas
Quando: de 14 a 28 de fevereiro, das 8h às 14h, de segunda a sexta-feira;
Onde: Museu da Cultura e do Legislativo, na sede da Assembleia Legislativa, Praça Sete de Setembro – Cidade Alta (Natal-RN);
Quanto: Gratuito.

Desde que foi publicado o livro “A Origem das Espécies” em 1859, de Charles Darwin, em que o naturalista inglês detalha os conhecimentos adquiridos em sua viagem no navio Beagle pelo mundo, especialmente pela América do Sul e sugere uma teoria para a evolução da vida no planeta.

Para ele, a diversidade que se observa deve ser produto da evolução, as espécies dão origem a outras espécies, através de mudanças mínimas e sutis, mas com tempo suficiente os resultados podem ser espetaculares.

Curiosamente, o na primeira edição, o livro chamava-se “On the Origin of Species by Means of Natural Selection, or the Preservation of Favoured Races in the Struggle for Life” ou “Da Origem das Espécies por Meio da Seleção Natural ou a Preservação de Raças Favorecidas na Luta pela Vida”. Somente na sexta edição de 1872 o título foi abreviado.

A explicação que Darwin ofereceu era tão simples que hoje parece óbvia, mas mesmo assim, a explicação de como a evolução funciona estava repleta de lacunas e as provas eram fracas, tanto que ele confiou que os cientistas completariam seu trabalho e provariam a teoria.

Havia muito poucos fósseis ou exemplos para entender, como um dos conceitos básicos da Teoria que é Seleção Natural, como comprovar algo desse porte, onde achar as evidências? E esse conceito foi afastado quando o botânico holandês, Hugo de Vries, estudou a hereditariedade da prímula da noite, que ocasionalmente, gera prole bastante diferente dela mesma, novas espécies. De Vries descobriu a mutação.

A Seleção Natural ficou esquecida até que os estudos do frade Gregory Mendel fossem conhecidos. E também os estudos do lago Niassa, o terceiro maior lago da África, que tem 560 km de comprimento, 80 km de largura máxima e uma profundidade máxima de 700 m. Tem uma área estimada de 31 mil quilômetros quadrados, dos quais 6400 são de Moçambique.

O lago foi descoberto por David Livingstone, um missionário e explorador britânico que foi um dos primeiros europeus explorar o interior da África. Quase cem anos depois, algo incrível foi descoberto neste lago, seus peixes, a prova que precisava. Descobriram uma variedade enorme de espécies, que diferem uns dos outros na forma do corpo, boca, dentes, cores etc. O mais incrível é que são todos membros da mesma família, são ciclídeos. Inicialmente, estimaram em mais de 400 espécies de ciclídeos. Em estudo mais recente, liderado por George Turner, foi estimado que no lago há mais de 700 espécies desse peixe. Isso é mais do que todas as espécies de peixes em todos os lagos e rios da Europa ou América.

Estima-se que há dois milhões de anos, um ciclídeo entrou no lago. Ao longo do tempo, o nível do lago aumentou e diminuiu, criando diferentes habitats, cada um com seus próprios recursos a explorar e cada um evoluindo seu próprio grupo de ciclídeos. Há espécies que se alimentam de algas e outras que são carnívoras, todas descendentes de um único ciclídeo.

No final dos anos 1950, a evolução tinha uma nova fórmula, combinando seleção natural, isolamento, hereditariedade mendeliana e teoria matemática, chamada Síntese
Neodarwiniana.

Mario Eugenio Saturno (cientecfan.blogspot.com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano.

Crédito da Foto: Ney Douglas


Criado em maio de 2004 e oficializado por meio de projeto de lei aprovado por unanimidade em dezembro do ano seguinte, o Coral da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte tem como objetivo utilizar a forma de canto coral como referência para a construção da identidade cultural do servidor público.

O grupo é formado por dez funcionários da Casa e oito voluntários, divididos em três tipos vocais. O professor Bruno Santos, regente do coral, explica que um grupo pode ter quatro estilos de vozes, compostos de acordo com cada tessitura vocal. São os chamados “naipes vocais”, que se dividem em sopranos – vozes agudas femininas; contraltos – femininas graves; tenores – vozes agudas masculinas; e baixos – que são as vozes masculinas graves.

Com o grupo atual, Bruno Santos diz que consegue trabalhar com três naipes vocais, pois é muito difícil dispor dos quatro estilos. Mesmo assim, o repertório do coral é bastante diversificado, com músicas de todos os períodos e estilos, incluindo Música Popular Brasileira, música estrangeira, música sacra e folclórica, todas cautelosamente selecionadas.

“O nosso repertório é cuidadosamente escolhido para cativar os diversos tipos de público, mas o nosso foco não poderia deixar de ser as composições dos artistas potiguares. Estamos sempre inserindo a música local no nosso acervo. Atualmente, estamos apresentando as músicas ‘Linda Baby’, de Pedrinho Mendes e ‘Canção Pra Natal’, do ex-deputado Estadual Nelson Freire”, explica Bruno Santos.

Além das apresentações no âmbito da Assembleia Legislativa, onde participa de audiências públicas, sessões solenes e atos ecumênicos, o coral também se apresenta externamente, seja a convite dos deputados e instituições, seja participando de festivais.

Funcionário da Assembleia há vinte e seis anos, Antônio Eriberto é baixo barítono e está no coral desde a sua fundação. Para ele, o grupo é um importante meio de interação entre os servidores da Casa e a sociedade potiguar. “Durante os vinte seis anos de trabalho na Assembleia Legislativa, sempre participei de tudo que a Casa proporcionou, e fazer parte do coral é mais uma forma de interagir com a sociedade e trazer a comunidade para os projetos do Legislativo,” afirma Eriberto.
Inicialmente o projeto do coro pretendia oferecer um espaço de convergência e troca de experiências apenas na Assembleia Legislativa, mas evoluiu e se tornou indispensável em festivais de corais e outros eventos culturais de Natal. O coral do Legislativo também é uma das atrações do Encontro de Corais de Natal (ENCONAT), evento anual que faz parte do calendário cultural da capital potiguar, dentro da programação do “Natal em Natal”.

O trabalho mais recente do grupo foi a participação no 53º Festival de Coros do Rio Grande do Sul (FECORS). Nesse evento, o coral da Assembleia Legislativa fez duas apresentações oficiais, uma em Flores da Cunha e outra em São Francisco de Paula. O grupo fez também emocionantes exibições nas catedrais de Gramado e de Canela, cantando músicas sacras, como “Pai Nosso”, “Ave Maria” e “Amigo de Deus”. Por fim, num dos cartões postais mais visitados do Brasil, o Lago Negro, o grupo apresentou “Vida de Viajante”, de Luiz Gonzaga.

A 24ª edição da Feira Internacional de Artesanato – Fiart terá a exposição e comercialização da produção de 250 artesãos do Rio Grande do Norte. A iniciativa é do Governo do Estado, através da Secretaria Estadual do Trabalho, Habitação e Ação Social – Sethas.

A seleção dos artesãos se deu por meio de edital e realizada por uma comissão especial, composta por membros do Programa Estadual de Artesanato, Economia Solidária, Fundação José Augusto, Federação da Economia Solidária, Fórum de Economia Solidária e Sebrae.

“A comissão especial foi designada para garantir transparência na seleção dos artesãos, prezando pelos princípios da impessoalidade e moralidade. Além disso foi uma forma de garantir a seleção do maior número de artesãos de diversas tipologias”, explica a secretária da Sethas, Iris de Oliveira.

Serão expositores artesãos individuais, de cooperativas e de associações, da Economia Solidária e artesãos da Central de Agricultura Familiar – Cecafes, contemplando todas as tipologias do artesanato norte-rio-grandense.

A governadora Fátima Bezerra, ao participar do lançamento do evento nesta quinta-feira, 17, ressaltou a importância da participação do artesanato local na Fiart, “uma feira que reúne expositores de 12 países e também é uma oportunidade para a interação dos nossos artesãos e de ampliação de negócios”.

Fátima Bezerra disse que o apoio ao artesanato está sendo fortalecido na atual administração. “Como Governadora reitero o empenho e dedicação para fazer avançar esta atividade econômica e vamos implementar a Lei do Artesanato, de 2017. Além disso vamos promover parcerias com o Programa de Apoio ao Artesanato Brasileiro”, declarou.

Ela ainda afirmou que “o artesanato do RN tem potencial para ser um diferencial de competitividade no turismo, até por que ele traduz a nossa cultura rica e diversificada. Com o apoio de todos, vamos fazer muito pelo nosso artesanato, atividade que também integra a cadeia produtiva do turismo e pelo nosso RN”, concluiu.

COMO SERÁ A 24ª FIART

Este ano a Fiart tem como tema: “Água, terra, fogo e ar. Dos quatro elementos, o talento cria o futuro”.

A feira acontece no período de 25 de janeiro e 03 de fevereiro próximo com apoio do Governo do Estado, no Centro de Convenções de Natal.

O evento será dividido em seis salões: Elementos, Bordados, Arte Popular, Cerâmica, Cestaria e Salão Nacional.  Haverá premiação para melhor peça de artesanato de cada salão. Haverá também o 17º Festival de Danças Folclóricas com a participação de 930 artistas e 69 grupos culturais.

Assecom-RN

Crédito: INFORMAÇÕES À IMPRENSA: João Bezerra Júnior – Assessor de Comunicação/ (Foto Cânion dos Apertados: Eugênio Oliveira / Foto Stand: Nayara Santana)


Uma das maiores feiras do setor de turismo do mundo, a VakantieBeurs foi aberta oficialmente nesta quinta-feira, 10, em Utrecht, na Holanda, com a participação de 200 expositores e com a expectativa de receber cerca de 20 mil visitantes que poderão conhecer diversos destinos, dentre eles o Rio Grande do Norte, que está com dois espaços na feira. No Stand próprio do Estado, uma das imagens que ilustra o ambiente é a do “Cânion dos Apertados”, em Currais Novos, um dos geossítios do “Geoparque Seridó”.

Para a Secretária Municipal de Turismo e Desenvolvimento Econômico de Currais Novos, Ana Albuquerque, esta é mais uma oportunidade de divulgação das belezas naturais do município para o mundo. “A feira é uma grande oportunidade que o Estado tem para divulgar o que temos de melhor, e ficamos muito felizes com o destaque do Cânion no Stand do RN, que também está divulgando outros atrativos do nosso Estado”, comentou Ana, ressaltando a importância de eventos como este para atrair turistas e investimentos para o setor no Rio Grande do Norte.

Crédito: INFORMAÇÕES À IMPRENSA: João Bezerra Júnior – Assessor de Comunicação

Os currais-novenses que prestigiaram a primeira apresentação do espetáculo “Auto de Natal do Menino Luz” na noite desta sexta-feira, 21, em frente ao Palácio Municipal “Prefeito Raul Macedo”, sede da Prefeitura Municipal, ficaram encantados com a história cheia de magia e elementos da cultura popular sobre o nascimento do “Menino Luz”, Jesus Cristo. Na abertura do Espetáculo, o Prefeito Odon Jr ressaltou a importância da cultura para a cidade e agradeceu o empenho de toda a equipe da Prefeitura para a realização do Auto. “Agradeço a toda equipe que se empenhou para a realização deste Auto e desejo à todas as famílias currais-novenses um Feliz Natal, que não deixem a esperança desabitar o coração de cada um e que tenhamos fé na vida e no trabalho”, comentou.

O espetáculo, que tem coordenação da Fundação Cultural “José Bezerra Gomes” e apoio da Secretaria Municipal de Turismo e demais secretarias, contou com a participação de 40 atores, entre crianças, jovens e adultos. O tema “Menino Luz” traz a reflexão sobre a fé e os sonhos que existem em cada um de nós, como comentou o Diretor Geral, Carlos Medeiros. Personagens e manifestações da cultura popular nordestina como a “Catirina”, “Birico”, “Boi de Reis” e o “Pastoril”, deram um toque especial ao espetáculo. O Coral Jovem “Natal de Paz” e o Ballet coordenado pela Professora Morgana Adla, realizaram apresentações especiais.

Neste sábado, 22, o “Auto do Menino Luz” realiza sua segunda apresentação a partir das 20h e contará com a participação especial da Banda “Maestro Santa Rosa”.

Ficha-Técnica: 40 Atores/ Direção Geral: Carlos Medeiros/ Produção Executiva: Socorro de Góis/ Figurinos e maquiagem: Manoel Neto/ Cabelos: Adriano Lopes/ Apoio: Sarmona Dantas, Daniela Domingos e Maria José/ Som: Luiz Antônio/ Luz: Adriano Nunes.

(ASCOM – Reitoria/UFRN)

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) está com inscrições abertas para municípios no Programa Trilhas Potiguares, cuja participação em 2019 terá como temática “Desenvolvimento Sustentável”. Os municípios interessados devem efetuar inscrição até 18 de fevereiro de 2019.

Para participar, os municípios devem apresentar população de até 15 mil habitantes, além de assinar Termo de Compromisso com a UFRN, em 22 de março de 2019. Entre as atribuições da gestão da cidade selecionada estão indicar um representante municipal como coordenador local; oferecer alimentação, hospedagem e transporte local à equipe nas visitas previstas durante a semana de atuação no município; disponibilizar materiais de expediente, limpeza, consumo e equipamentos necessários à realização das ações; bem como outras atribuições que podem ser conferidas na Chamada.

A inscrição do município será realizada a partir do preenchimento da Ficha de Inscrição, a qual deve ser encaminhada para o e-mail trilhas_potiguares@hotmail.com, ou entregue na Coordenadoria de Ações Comunitárias da Pró-Reitoria de Extensão (Proex-UFRN), ou ainda, por via postal. O resultado está previsto para ser divulgado até 19 de março de 2019. Confira a Chamada no site da Proex: http://www.proex.ufrn.br/editais/edital?id=284683730

INFORMAÇÕES À IMPRENSA: João Bezerra Júnior – Assessor de Comunicação

Renovar a fé e os sonhos através da “Luz” que existe em cada um de nós, esta é a essência principal do Espetáculo “Auto de Natal do Menino Luz” que será apresentado nesta sexta-feira (21) e sábado (22) em frente ao Palácio Municipal “Prefeito Raul Macêdo”, sede da Prefeitura Municipal, a partir das 20h. Realizado pela Prefeitura Municipal de Currais Novos através da Fundação Cultural “José Bezerra Gomes” e apoio da Secretaria Municipal de Turismo e demais secretarias, o espetáculo contará com a participação de 40 atores, entre crianças e adultos.

“Queremos mostrar no espetáculo a luz que existe dentro de cada um de nós e, ao mesmo tempo, a sombra que nos rodeia e nos faz pensar nas coisas que não andam bem”, comentou o diretor geral do espetáculo, Carlos Medeiros. “Ao final, com o nascimento do Menino Jesus, que é a verdadeira luz que ilumina nossas vidas, vem o pensamento positivo e a renovação da fé e dos sonhos”, disse. O Coral Jovem “Natal de Paz” e o Ballet do SCFV AABB Comunidade se apresentam amanhã após o espetáculo, e a Banda “Maestro Santa Rosa” realiza apresentação especial no sábado.

Ficha-Técnica: 40 Atores/ Direção Geral: Carlos Medeiros/ Produção Executiva: Socorro de Góis/ Figurinos e maquiagem: Manoel Neto/ Cabelos: Adriano Lopes/ Apoio: Sarmona Dantas, Daniela Domingos e Maria José/ Som: Luiz Antônio/ Luz: Adriano Nunes.

A reforma do prédio da Biblioteca Pública Câmara Cascudo está em fase de conclusão. Nesta quinta-feira, 20, o governador Robinson Faria visitou a biblioteca que estava fechada desde 2012 e teve o projeto de reestruturação retomado em agosto de 2017.

A administração estadual está investindo R$ 2.017.872 milhões em obras e equipamentos. Os recursos são do Governo do Estado, através do projeto Governo Cidadão, financiado pelo Banco Mundial.

Foram realizados serviços na cobertura, instalação hidráulica, elétrica, implantada a climatização, equipamentos de combate a incêndio e elevadores. Ainda foram instalados plataformas e rampas de acessibilidade, novos pisos e revestimentos, esquadrias de alumínio, grades de proteção e sistema de segurança.

A biblioteca também ganha salas de vídeo com ilhas de edição, salas de estudo, lanchonete e auditório. Para a conclusão das obras faltam serviços elétricos, instalação de equipamentos e móveis.

O governador Robinson Faria destacou que “a reforma e reestruturação da Biblioteca Câmara Cascudo é um resgate da história e da cultura do Rio Grande do Norte. Educadores, alunos e população terão de volta sua biblioteca que dispõe de importante e vasto acervo, incluindo as obras dos nossos escritores e produtores culturais”.

Criada em 1963, a Biblioteca Câmara Cascudo completou 55 anos de existência em abril deste ano. O espaço físico que abriga a biblioteca é considerado um centro cultural, educacional e turístico potiguar.

O acervo da biblioteca conta com mais de 100 mil exemplares dentre livros, revistas, jornais, DVDs, fitas VHS e cassete, CDs e uma hemeroteca com recortes de cerca de 200 assuntos.

(ASCOM – Reitoria/UFRN)

O Grupo de Dança da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (GDUFRN) apresenta o espetáculo (Des) CAMINHOS, às 19h dos dias 10 e 11 de novembro, no Auditório da Escola de Música da UFRN. O evento conta também com a participação do artista João Natal, que exibe exposição no hall de entrada do auditório.

O espetáculo é inspirado na obra “O turista aprendiz”, do escritor Mário de Andrade, que inclui aspectos originários de suas viagens ao Norte e Nordeste brasileiro e do seu encontro com o coqueiro potiguar Chico Antônio. Tudo isso articulado com narrativas dos próprios bailarinos, envolvendo dança, teatro, música, poesia, vídeo-arte e exposição de artes visuais. A apresentação possui a concepção e direção geral e artística de Teodora Alves; assistência de direção de Lisiane Miranda e Samara Salgueiro; composição cenográfica e pesquisa de Teodora Alves e do GDUFRN.

Crédito: Juliana Manzano

O 3° Encontro Nordestino de Saxofonistas e o 1º Encontro Potiguar de Clarinetistas acontecem, simultaneamente, desta quinta-feira (1) até o próximo domingo (4), na Escola de Música da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Os eventos contam com a presença de saxofonistas e clarinetistas brasileiros e estrangeiros, que abordarão os instrumentos sob aspectos relativos à performance, à técnica, o som, a pesquisa científica e a arte musical como um todo.

Promovido pela EMUFRN sob a coordenação dos professores João Paulo de Araujo, Anderson de Oliveira Pessoa e Amandy Bandeira, os Encontros pretendem promover a troca de conhecimento entre saxofonistas, entusiastas e amantes dos instrumentos, além de fomentar a discussão e divulgar os estudos recentes acerca do saxofone e da clarineta.

“Montamos uma programação muito interessante e diversificada que inclui as áreas artísticas e acadêmicas. Teremos concertos, recitais e apresentações de grupos do Rio Grande, da Paraíba e de Alagoas, por exemplo, mas também a apresentação de pesquisas, trabalhos e workshops. Esta é a primeira vez que os eventos serão realizados ao mesmo tempo e a nossa expectativa é grande para que seja um sucesso”, pontua o coordenador João Paulo de Araújo.

Crédito da Foto: João Gilberto

Os 30 anos da Academia Mossoroense de Letras (Amol) foram prestigiados em sessão solene na Assembleia Legislativa que reuniu, nesta terça-feira (16),  intelectuais da cidade, um dos grandes celeiros da produção cultural do Rio Grande do Norte. A propositura foi da deputada estadual Larissa Rosado (PSDB).

“Inegavelmente, Mossoró tem contribuição histórica para o Estado e o Brasil. A cultura que é uma das marcas da cidade é um elemento do próprio desenvolvimento do Rio Grande do Norte. Nesse sentido, a produção literária da cidade é uma expressão dessa riqueza cultural. Não por acaso, Mossoró é um dos poucos municípios do Brasil que tem sua própria academia de letras, a qual hoje tem nesta Casa seus trabalhos reconhecidos”, destacou a propositora da homenagem.

Nomes que fomentaram a produção literária de Mossoró desfilaram no Plenário Clóvis Motta. Foram homenageados nomes como Filemon Pimenta (autor do recente ‘Fatos do Tempo’), Benedito Vasconcelos Mendes, idealizador do Museu do Sertão de Mossoró, Elder Heronildes da Silva, que falou em nome dos homenageados.

“A Amol vem sendo responsável por preservar parte de nosso patrimônio cultural. Mossoró eleva aqui sua voz em gratidão à Assembleia Legislativa, que dignifica o âmago de tanta gente. Muito obrigado não só à deputada propositora, mas a todos aqueles que anuíram à homenagem”, destacou Heronildes.

Foram ainda agraciados pelas honrarias Francisco Obery Rodrigues, Geraldo Maia do Nascimento, Josafá Inácio da Costa, José Welligton Barreto, Maria do Socorro Cavalcanti, Ricardo Alfredo de Souza, Padre Sátiro Cavalcanti Dantas, Taniamá Vieira da Silva Barreto, Wilson Bezerra de Moura e Zélia Macêdo Lopes Heronildes da Silva.

 

Evandro Ferreira – ASCOM – Reitoria/UFRN

A Biblioteca Central Zila Mamede (BCZM) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) realiza um sarau poético nesta sexta-feira, 28, às 16h, na sala de Coleções Especiais. O evento faz parte da comemoração dos 90 anos de nascimento da poeta Zila Mamede, além do aniversário de 60 anos do lançamento do livro Salinas e da primeira edição do livro Navegos, que reúne toda a obra poética da autora entre 1953 e 1978. A homenagem percorre vários ambientes da BCZM por meio da exposição “Zila Mamede: a poeta bibliotecária”, que segue até o dia 15 de outubro e reúne 90 de suas poesias.

Zila da Costa Mamede (1928-1985) nasceu no município de Nova Palmeira, na Paraíba e aos seis anos de idade passou a viver no Rio Grande do Norte. Iniciou sua carreira em 1954, quando assumiu o cargo de Auxiliar de Biblioteca da Biblioteca do Instituto de Educação do Rio Grande do Norte (hoje Atheneu Norte-Riograndense).

Em 1974 planejou, organizou e instalou o acervo básico necessário ao funcionamento dos cursos da UFRN, representando a Biblioteca Central (antes Serviço Central de Bibliotecas da UFRN). Nomeada Diretora da Biblioteca Central da UFRN, ficou no cargo até 20 de março de 1980, quando se aposentou.

Credito: ASCOM/Reitoria, Wilson Galvão, Marina Gadelha, Williane Silva e Cícero Oliveira

A Orquestra Sinfônica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (OSUFRN) realiza, no próximo sábado, 22, seu sexto concerto oficial de 2018. O evento acontecerá em duas sessões, às 18h e às 20h, na Escola de Música (EMUFRN), com regência do maestro André Muniz.
O repertório traz as obras Sinfonia nº 4, escrita em 1806, por Beethoven, e Os Pinheiros de Roma, peça do principal compositor italiano do século XX, Ottorino Respighi. O evento é gratuito e os ingressos podem ser retirados a partir da quinta-feira, 20, na coordenação de eventos da EMUFRN.
Apresentação no Vaticano
A escolha do repertório marca o início oficial das atividades da Orquestra Sinfônica, que participará da audiência geral do Vaticano, com a presença do Papa Francisco, no dia 12 de dezembro. Esta será a segunda vez que a Orquestra se apresenta internacionalmente, a primeira aconteceu em 2015, na Alemanha.

Crédito da foto: PMM

A 20ª Festa do Bode tem início nesta quinta-feira (20), no Parque de Exposições Armando Buá, e segue até o próximo sábado (22), com uma programação voltada à cadeia produtiva da ovinocultura e desenvolvimento rural.

Neste primeiro dia de programação do evento em Mossoró, a abertura oficial acontece às 19h. No entanto, durante o dia será realizado a pesagem e mensuração dos animais para julgamento, plantão técnico veterinário, além de um curso de reuso de águas servidas na produção de forrageira, e um programa de Inclusão Digital Rural.

Ainda na noite de hoje acontecem shows artístico-culturais, com Filipe Costa e Forró dos 3. A programação segue no decorrer desta sexta-feira (21) com mais cursos e oficinas e shows à noite de Aline e Deyvid e Forró Com Ela.

No sábado (22), acontecem mais cursos e shows de André Luvi e Lucas Lima.

Crédito: João Bezerra Júnior – Assessor de Comunicação

Um dos grandes eventos de cultura popular do Rio Grande do Norte, o “6º Encontro de Bonecos e Bonequeiros do Teatro de João Redondo do RN” acontecerá nos próximos dias 28 e 29 em Currais Novos e terá uma programação diversa com apresentações na Feira Livre Municipal e Praça Tetê Salustino. Neste ano o encontro irá homenagear o brincante Francisco Ângelo da Costa (Chico Daniel ou Chico de Daniel).

O evento é realizado pela APOTB – Associação Potiguar de Teatro de Bonecos com apoio da Prefeitura Municipal de Currais Novos através da Fundação Cultural “José Bezerra Gomes”, Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo – SEMTUR e Aldann Construções, e com patrocínio do IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

No dia 28 de setembro às 10h acontece à acolhida dos brincantes no “Solar das Artes”, à tarde acontecem apresentações em diversas instituições do município e à noite a partir das 19h os brincantes realizam apresentações na Praça “Tetê Salustino”.  Na manhã do sábado (29) tem apresentação na Feira Livre a partir das 8h, às 14h os brincantes se reúnem no Solar das Artes, e à noite na Praça “Tetê Salustino” acontecem diversas apresentações a partir das 19h.

CHICO DANIEL

Francisco Ângelo da Costa (Chico Daniel ou Chico de Daniel), nasceu em Assu em 1941 e herdou do avô a profissão de bonequeiro. Seus espetáculos se caracterizavam pela originalidade em relação ao teatro da tradição, não apenas pelos personagens que apresentava, mas também pelas tramas das histórias inspiradas no anedotário popular, piadas de circo e outras fontes urbanas. Chico Daniel representou o RN em Encontros Nacionais e Internacionais de Bonecos, e foi considerado por Ariano Suassuana como “um dos maiores artistas populares do Brasil”. Faleceu em 2007 deixando multiplicadores de sua arte, como seus filhos Josivan e Daniel. Hoje, Chico Daniel é o nome do Teatro de Cultura Popular da Fundação José Augusto.

Foto: Divulgação

Artesãos e produtores do Rio Grande do Norte participam da 24ª edição da feira Brasil Mostra Brasil que acontece no Arena das Dunas, em Natal, até 9 de setembro. Os estandes do RN foram viabilizados com recursos do Acordo de Empréstimo com o Banco Mundial.

Os visitantes vão se deparar com trabalhos manuais dos nossos artesãos, opções são fartas que vão desde esculturas de madeira, redes, bordados e bonecas de pano. A gastronomia também está presente com venda de mel, geleias e doces em compotas, biscoitos caseiros e mais uma variedade de produtos.

“Ao viabilizar a vinda dos nossos artesãos e produtores estamos incentivando a economia e possibilitando acesso à novos mercados. É muito gratificante ver dona Helena, por exemplo, expor e passar seus conhecimentos na área de artesanato para as novas gerações”, comenta Vagner Araújo, secretário da Sethas e coordenador do Governo Cidadão.

Para Dona Helena Medeiros, 83 anos, da Associação Cultural dos Artesãos de Lajes Poção, o artesanato significa memória. Há mais de 20 anos no ramo, já participou de 10 feiras BMB. “O interesse é que chegue ao povo, que o povo compareça. E sempre o povo pergunta: ‘E esse trabalho?’ É criação minha. Quando eu falto aqui, eles me perguntam ‘Helena, cadê os trabalhos?’ Então eu venho. E gosto. E ajudo também as associadas. Elas trabalham comigo e também recebem, tem um bom rendimento”, conta. “Para os outros eu digo: continue trabalhando, porque é muito importante. E ajuda as pessoas no conhecimento cultural”.

Já Francisco Ricardo da Silva, 38 anos, é agricultor e produz mel em Lajes. Trabalha há 14 anos com apicultura e está em seu 8º ano de Brasil Mostra Brasil. “Se torna uma vitrine muito boa para nossos produtos serem lançados no comércio. Eu moro num interior pequeno, 10 mil habitantes, o mercado ainda é pouco. Aí tem que se expandir aqui para Natal para escoar a demanda de mel”, relata o apicultor.

Aproximadamente 300 artesões e agricultores são beneficiados diretamente, entre associações e autônomos, e indiretamente, 1.500. Eles vem de diversas regiões do RN, desde o Seridó ao Vale do Assú, Agreste e região metropolitana de Natal.

Por meio de feiras locais, regionais e internacionais, os artesãos do Estado tem conseguido expor seus trabalho sempre com apoio da Sethas e do Acordo de Empréstimo com o Banco Mundial.

Crédito das Fotos:  Eduardo Maia

Está em cartaz até a próxima segunda-feira (13), no Salão Nobre da Assembleia Legislativa, a exposição “Ferramentas para ferir a pedra”, de Henrique Pereira Bezerra, que conta com 20 fotografias espalhadas pelo salão aberto à visitação das 8h às 15h. Henrique é odontólogo de formação desde 1988, e trabalha no setor de Saúde da Casa Legislativa.
“A escolha pela fotografia foi para fazer uma atividade extra que me desse prazer”, disse Henrique, justificando a opção pelo que encara como um hobby. “A fotografia contemporânea vai além da imagem”, afirmou o dentista fotógrafo, explicando o estilo que escolheu para imprimir na sua arte.
Foi em 2006 que Henrique Pereira Bezerra se encantou pela fotografia e transformou em atividade que completa seus dias de trabalho como dentista. E uma ‘residência fotográfica’ realizada nas pedreiras do município de Passa e Fica, na região Agreste do Rio Grande do Norte, já lhe rendeu algumas apresentações como uma exposição na Pedra da Boca e no Festival de Fotografias de Quixeramobim, no Ceará, além desta exposição em cartaz no Palácio José Augusto.
As pedras e ferramentas que compõem as pedreiras de Passa e Fica, estão expostas no Salão Nobre da Assembleia Legislativa. A exposição “Ferramentas para ferir a pedra” conta com 20 fotografias que serão espalhadas pelo salão e poderão ser visitadas de segunda a sexta-feira, das 8 às 15 horas.
“A exposição ‘Ferramentas para ferir a pedra’ é o registro de uma conversa já antiga, há muito iniciada pelo ser humano, alimentada pelos poetas, pelos pensadores do espaço, pelos artistas. A pedra que fala mesmo sem linguagem humana”, explica Sofia Bauchwitz, curadora da apresentação, que ressaltou o direcionamento de Henrique Bezerra que pela fotografia de pedras e ferramentas, sem expor os trabalhadores das pedreiras. “Um esforço para chegar mais perto do não-humano e traduzir a experiência da terra, do pó, das horas que passam para todos”, disse Sofia.

 

Crédito das fotos: João Vital

 

A 35a edição da Feira de Artesanato dos Municípios do Seridó (Famuse) começou ontem (25) em Caicó, na Ilha de Santana. Sessenta artesãos de 24 municípios apoiados pelo Governo do Estado estão expondo seu trabalho durante todos os dias do evento. Visando o desenvolvimento regional sustentável, o Banco Mundial também patrocina a Feira com recursos do acordo de empréstimo.

A artesã Helena Medeiros, de 83 anos, levou a Caicó diversos exemplares de jogos americanos e toalhas que produz junto a quatro mulheres na zona rural de Ouro Branco. Bordadeira há 50 anos, ela enxerga na Famuse a oportunidade de divulgar seu trabalho e incrementar a renda doméstica. “Todas as feiras que posso eu participo”, registra.

O secretário da Sethas e coordenador do projeto junto ao Banco Mundial, Vagner Araújo, destaca a importância dos eventos regionais. “A Feira é um momento de reunir o talento dos nossos artesãos e promover condições para que possam viver de sua arte, com a geração de renda, divulgação e reconhecimento do seu trabalho”, disse.

A coordenadora de artesanato da Sethas, Salmira Torres, diz que a Famuse contribui para a divulgação e fortalecimento das tipologias da cadeia produtiva do artesanato do Seridó. “O evento valoriza o artesão para que ele se torne protagonista da sua própria arte”, acrescenta.

O artesanato da região vai ganhar novo fôlego após o registro do selo “Bordado de Caicó” no INPI. Bordadeiras de sete municípios do Seridó terão o selo após a finalização do processo no Instituto e poderão comercializar seus produtos com alto valor agregado. A Famuse segue até domingo na Ilha de Santana. A entrada é gratuita.