Posts by:

As deputadas Cristiane Dantas (PCdoB) e Márcia Maia (PSDB) estão preocupadas com a situação de insegurança no interior do Rio Grande do Norte. Com os crimes constantes, as parlamentares apresentaram requerimentos pedindo a ampliação do policiamento em cidades do interior e também a disponibilização de motocicletas para o trabalho dos policiais militares.

Segundo a deputada Cristiane Dantas, o município de Itaú está com problemas no patrulhamento e a população tem ficado vulnerável à ação de criminosos. Por isso, ela apresentou requerimento direcionado à secretária de Segurança do Estado Sheila Freitas, e ao comandante da PM, coronel André Azevedo, solicitando o aumento do efetivo policial e aquisição de duas motocicletas e uma viatura para o trabalho dos profissionais.

“A falta de segurança é um dos problemas enfrentados pelos moradores do município de Itaú. Os comerciantes não se sentem mais seguros em manter seus estabelecimentos abertos, pois, constantemente, são vítimas de assaltos. A população não se sente tranquila, seja durante o dia ou à noite”, justificou Cristiane Dantas.

Outro município que também enfrenta problemas de segurança e é alvo de atenção da Assembleia Legislativa é Tenente Laurentino Cruz. Assim como a solicitação para Itaú, a deputada Márcia Maia cobrou a ampliação do efetivo e disponibilização de motocicletas para colaborar com o trabalho dos policiais na cidade.

“O município de Tenente Laurentino Cruz vem sofrendo com o aumento dos índices de criminalidade e possui hoje um efetivo policial aquém das necessidades. Nos últimos anos, os moradores da cidade têm sido vítimas de diversos tipos de violência, como arrombamentos de residências, assaltos e roubos de veículos. O aumento do efetivo poderá amenizar o crescimento da criminalidade no município e, consequentemente, propiciará a melhoria da segurança pública na cidade”, disse Márcia Maia.

Os dois requerimentos foram apresentados na Assembleia e, após aprovação em plenário, serão encaminhados aos órgãos competentes.

Foi entregue oficialmente pelo Prefeito de Currais Novos, Odon Jr, na tarde desta quinta-feira (03) as chaves do Ginásio de Esportes da Escola Municipal “Professora Trindade Campelo”, no bairro Silvio Bezerra de Melo. O Ginásio, que foi construído na gestão passada, não tinha sido oficialmente entregue por algumas pendências, como a construção do muro e alguns reparos na estrutura da obra, que foram realizados pela atual administração municipal.

“Estive presente junto com os secretários Lucas Galvão (obras) e Jorian Pereira (Educação) na entrega das chaves à diretor Magna de Fátima, e sei o quanto este ginásio será importante para os alunos e comunidade”, disse o Prefeito Odon Jr, que lembrou que a obra foi “conseguida e construída na gestão do ex-Prefeito Vilton Cunha”. “Tenho certeza que esse ginásio atenderá as demandas culturais, esportivas e sociais deste bairro”, comentou o Prefeito. Após a entrega oficial, houve apresentação da banda marcial da escola e do grupo musical de flauta.

Rejeitado por 93% da população, capacho das elites nacionais e inimigo algoz do povo brasileiro, Temer será lembrado no futuro como uma das páginas mais sujas, tristes e iníquas da história política do Brasil.

Alvo de graves denúncias, o presidente Temer insiste em se manter no Poder abraçado a políticos fartamente delatados na lava jato, velhos conhecidos da crônica policial, pilantras vocacionados que fazem da política nacional um antro de chiuicanas e trapaças.

Um presidente refém de sua própria mediocridade e acentuada estupidez, que vive escondido em seu “bunker” de estimação – o Jaburu -, onde costuma receber seus “pares” e até bandidos na calada da noite, para tramar contra a nação… Um presidente que não pode andar nas ruas do País sob pena de ser linchado pelas multidões… Um presidente, enfim, com alto índice de impopularidade e rejeição como o Temer, pela lógica, já deveria ter sido destituído.

Muitos dos que votaram a favor do arquivamento da denúncia contra Temer são políticos calejados que já não se acanham quando chamados de corruptos pelo povo nas ruas e nas redes sociais. Perderam completamente a vergonha!!!

Os votos pelo arquivamento da denúncia, seja quais forem as justificativas, ferem de morte a ética e desafiam a vontade de 93% dos cidadãos brasileiros. E os deputados que assim votaram demonstram não ter compromisso algum com os princípios da moralidade, da ética e da supremacia do interesse público sobre o interesse privado, que norteiam a administração pública como um todo.

Herdeiros malditos da cultura de corrupção que impregna a nação brasileira desde os tempos do Império, alguns dos nossos parlamentares deveriam dar graças a Deus por terem nascido no Brasil, e não na China, pois lá, ao contrário daqui, muitos deles já teriam sido condenados à pena de morte por fuzilamento em praça pública, há muito tempo.

CÍCERO mapjan10@gmail.com

Uma parceria entre a Prefeitura Municipal de Currais Novos, o Sistema Fecomércio (SESC e SENAC) e o Sindicato do Comércio Varejista de Currais Novos, dará a oportunidade para que 60 pessoas se qualifiquem em 04 cursos ofertados na “Carreta Moda e Beleza” do SENAC, que foi inaugurada na noite desta quinta-feira (03) na Praça Tetê Salustino, com a participação do Prefeito e Vice-Prefeito, Odon Jr e Anderson Alves; do diretor regional do SENAC, Fernando Virgílio; do Presidente do SindVarejo Currais Novos, Helder Araújo; além de vereadores, secretários municipais e alunos dos cursos.

A oferta dos cursos é resultado do esforço da gestão municipal junto ao Fecomércio com o intuito de qualificar pessoas para o mercado de trabalho e, assim, fortalecer a renda das famílias. Para Fernando Virgílio, a chegada desta carreta marca um novo ciclo de parceria entre o Sistema Fecomércio e a Prefeitura de Currais Novos. “A Prefeitura nos pediu estes cursos e aqui estamos, e essa será a primeira de muitas ações”, disse Fernando, afirmando que o mais importante é “fazer com que as pessoas gerem renda”. Para o Prefeito Odon Jr, os cursos serão importantes e “trazem ganho social para a nossa população”. “Agradecemos ao empresário Helder Araújo e a diretoria da Fecomércio RN por esta parceria tão importante”, comentou.

Após a solenidade, as autoridades e alunos visitaram as instalações da carreta que ofertará cursos como Manicure e pedicure, corte de cabelo (tendências atuais), design de sobrancelha, e penteados para festa.

 

A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte (ALRN) realiza na próxima segunda-feira (04), às 9h, no Plenário Clovis Motta, sessão solene em homenagem ao primeiro ano de atuação do projeto “Maria da Penha vai as Escolas”. A solenidade, que faz referência ao Agosto Lilás, é propositura do deputado estadual Dison Lisboa (PSD) homenageará 10 representantes do trabalho de enfrentamento aos vários tipos de violência contra as mulheres no Estado.

“Reconhecida com um importante avanço na proteção aos direitos da mulher a Lei Maria da Penha foi sancionada em 07 de agosto de 2006. Na mesma data, no ano de 2016, ocorreu o lançamento do projeto ‘Maria da Penha vai às Escolas’, pela Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres do Rio Grande do Norte. O projeto integra as escolas estaduais, por acreditar ser o ambiente ideal para socializar, divulgar e fazer uma grande diferença no combate às várias formas de violência contra a mulher. Em referência aos avanços e contribuição como um mecanismo importante na luta contra a violência dirigida à mulher, esta projeto merece ser referenciado e homenageado”, explicou Dison.

De acordo com dados do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), o estado é o quinto do Brasil com o maior número de casos de violência doméstica. O estado que registra o maior número de vítimas é o Espírito Santo.

Homenageados
Flávia Montenegro Lisboa – Secretária Estadual de Políticas Públicas Para as Mulheres
Cristiane Dantas – Deputada Estadual
Ana Lúcia Raymundo – Defensora Pública Estadual, Coordenadora do Núcleo de Enfrentamento a Violência Doméstica e Familiar e membro do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher.
Heraldo Lins Marinho Dantas – Artista Mamulengo
Francisca Erlância Mendes Moreira Passos – Coordenadoria da Defesa dos Direitos da Mulher e das Minorias.
Carmem Lúcia Freire Pereira – Responsável pela 1° DIRED (Diretorias Regionais de Educação e Cultura)
Sheila Maria Freitas de Souza Fernandes e Melo – Secretária Estadual de Segurança e Defesa Social
Fátima Maria Costa Soares – Juíza do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte
Paoulla Benevides Maués de Castro – Delegada da Mulher
Clara Elizabeth Vieira Moreno – Assistente Social

O Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) terá de manter, em todas as suas unidades, Enfermeiro durante o período de funcionamento dos serviços auxiliares de Enfermagem.

A decisão judicial, que deverá ser cumprida no prazo máximo de 60 dias, foi divulgada nesta quarta-feira (02), após Ação Civil Pública movida pelo Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Norte (Coren-RN). De acordo com a determinação, o Instituto também terá de indicar Responsável Técnico de Enfermagem devidamente registrado.

Em exercício de fiscalização anteriormente realizado no IFRN, o Coren-RN constatou várias irregularidades, como: a inexistência de qualquer enfermeiro na instituição, de Anotação de Responsabilidade Técnica de Enfermagem e a realização do processo de esterilização sem atender às recomendações do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) e da Anvisa.

A Lei nº 7.498/1986 determina que as atividades do Técnico e Auxiliar de enfermagem somente podem ser desempenhadas sob orientação e supervisão do Enfermeiro.

Atualmente, existe 20 campus do IFRN no estado potiguar, distribuídos na capital, região metropolitana e interior.

Para a presidente do Coren-RN, Suerda Menezes, essa é uma importante vitória não só do Conselho, mas da sociedade, de uma forma geral, pois representa a garantia de uma assistência mais qualificada que é direito de todo cidadão.

Fonte: Coren – RN

Depois de uma novela que teve vários capítulos, muitas informações, capas de sites e jornais em todo o mundo, e frustração e comemoração para dois lados distintos, o Paris Saint-Germain anunciou nesta quarta-feira a contratação do atacante Neymar. O clube francês efetuou o pagamento da cláusula de rescisão no valor de € 222 milhões (R$ 812 milhões), e o brasileiro se tornou o jogador mais caro da história do futebol.

Neymar assinou contrato por cinco temporadas com o PSG. O vínculo termina em 30 de junho de 2022. Com isso, o compromisso do craque com o PSG termina antes da Copa do Mundo do Catar, que será disputada entre novembro e dezembro de 22.

Neymar é o novo reforço do PSG (Foto: Reprodução)

Craque utilizará a camisa 10 no Paris Saint-Germain (Foto: Reprodução)

A apresentação de Neymar acontecerá nesta sexta-feira em uma conferência de imprensa no Parc des Princes às 13h – horário local (8h de Brasília). Em seguida, o brasileiro participará de seu primeiro treinamento com os novos companheiros, porém sem a presença de jornalistas ou torcedores.

No sábado, o jogador será apresentado aos torcedores em uma festa no Parc des Princes às 15h45 – horário de Paris (10h45 de Brasília) . Em seguida, o time faz sua estreia no Campeonato Francês contra o Amiens às 12h (de Brasília), com transmissão ao vivo do SporTV. O GloboEsporte.com acompanha em tempo real.

Ivan Raupp e Rodrigo Cerqueira, Barcelona, Espanha

O governo federal vai abrir mão de mais de R$ 10 bilhões em arrecadação nos próximos anos com a medida provisória publicada pelo presidente Michel Temer que concedeu benefício a produtores rurais. O número foi confirmado pela Receita Federal.

A MP reduziu a alíquota da contribuição paga por produtores para o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural), usado para auxiliar no custeio da aposentadoria dos trabalhadores rurais, que é subsidiada pela União.

Além disso, a medida permite que produtores com atraso no pagamento das contribuições previdenciárias quitem as dívidas com descontos nas multas e de forma parcelada.

O acordo com a bancada ruralista no Congresso foi fechado antes da votação da denúncia de corrupção passiva contra o presidente Michel Temer no plenário da Câmara, que acabou rejeitada pelos deputados.

Para a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Unafisco Sindical), a medida retira recursos da Previdência em um momento em que o governo propõe mudanças nas regras de aposentaria para conter o déficit do INSS e vai beneficiar grandes empresas como a JBS (veja mais abaixo neste texto).

Renúncia de arrecadação

Segundo números da Secretaria da Receita Federal, somente com o perdão de juros e multas a perda de arrecadação será de R$ 7,6 bilhões em 15 anos, prazo de parcelamento dos débitos.

Já com a redução da alíquota do Funrural, o governo deixará de receber R$ 4,36 bilhões entre 2018 e 2020. A Receita não divulgou estimativa da perda de arrecadação com a redução de alíquota para os próximos 15 anos.

Somadas, as perdas com perdão de juros e multas e com a redução da alíquota chegam a R$ 11,96 bilhões. Entretanto, esse valor pode ser maior se se considerar que a redução da alíquota deve vigorar além de 2020.

A medida provisória do Funrural era uma reivindicação da bancada ruralista desde abril, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu como constitucional o pagamento das contribuições previdenciárias.

Produtores rurais e associações que representam a categoria contestavam a contribuição na Justiça. Por isso, muitos deles interromperam ou atrasaram os pagamentos ao fundo.

Com a decisão do STF, a bancada ruralista passou a negociar com o governo uma medida provisória para redefinir as contribuições previdenciárias rurais.

Rombo da Previdência e benefício à JBS

A Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Unafisco Sindical) informou que vai pedir à Receita Federal explicações e pareceres técnicos sobre a medida provisória.

Segundo o diretor de Defesa Profissional e Assuntos Técnicos da Unafisco Nacional, Mauro Silva, a medida não foi feita para os pequenos produtores pois beneficia o adquirente de produtos rurais, como os grandes frigoríficos, e empresas de maior porte que compram leite e alimentos em geral.

“A JBS e os frigoríficos são altamente beneficiados com esse Refis. Não é produtor de leite, quem tem sítio, que vai ser beneficiado por isso. Ele foi feito para um outro público interessado”, disse Mauro Silva.

Ele observou ainda que empresas flagradas em sonegações e fraudes não estão impedidas de aderirem ao Refis – ao contrário do outro programa de parcelamento do governo que beneficia empresas em geral.

“Além disso, em um momento que se está falando em reforma da Previdência e de falta de recursos, essa medida provisória retira recursos da Previdência”, disse Silva. “Diminui em 40% a carga tributária dos grandes produtores”, declarou.

Formas de quitação da dívida

Poderão fazer parte do Programa de Regularização Rural as dívidas vencidas até 30 de abril de 2017. Para aderir, o produtor deve desistir das ações na Justiça que contestam a contribuição previdenciária.

Veja as condições de pagamento:

Modalidade produtor rural pessoa física

  • Entrada de 4% da dívida, em 4 parcelas com pagamento entre setembro a dezembro de 2017, calculada sobre o montante total da dívida, sem reduções;
  • O restante com redução de 25% nas multas e encargos legais e de 100% nos juros, em até 176 prestações equivalentes a 0,8% da receita bruta da comercialização rural.
  • Parcela mínima não pode ser inferior a R$ 100

Modalidade do adquirente – dívidas até R$ 15 milhões •

  • Entrada de 4% da dívida, em 4 parcelas com pagamento entre setembro a dezembro de 2017, calculada sobre o montante total da dívida, sem reduções
  • O restante com redução de 25% nas multas e encargos legais e de 100% nos juros, em até 176 prestações equivalentes a 0,8% da média mensal da receita bruta proveniente da comercialização do ano civil anterior
  • Parcela mínima não pode ser inferior a R$ 1000

Modalidade do adquirente – dívidas acima de R$ 15 milhões

  • Entrada de 4% da dívida, em 4 parcelas com pagamento entre setembro a dezembro de 2017, calculada sobre o montante total da dívida, sem reduções
  • O restante com redução de 25% nas multas e encargos legais e de 100% nos juros, em até 176 prestações
  • Parcela mínima não pode ser inferior a R$ 1000
  • Alexandro Martello, G1, Brasília

A atuação do governo, dando encaminhamento favorável a reivindicações de deputados e bancadas, mostrou-se eficaz para garantir a vitória ao presidente Michel Temer na sessão de ontem da Câmara, impedindo o Supremo Tribunal de analisar a denúncia de corrupção passiva que pesa contra ele, elaborada pela Procuradoria-Geral da República (PGR). Por fim, 263 deputados ficaram a favor de Temer e 227, contra. Seriam necessários 342 deputados para levar a denúncia ao Supremo.

Foi um erro, como defendido ontem pelo GLOBO. Isso porque a ética deve prevalecer sobre quaisquer outros aspectos, e a lei precisa ser aplicada independentemente de pessoas, partidos e ideologias. A votação de ontem foi de fundo político, pode-se argumentar, mas a vitória de Temer transmite para a sociedade a ideia de que pesos e medidas mudam a depender de quem estiver em questão.

O argumento de que a manutenção de Temer no Planalto é necessária para garantir a estabilidade vem sendo repetido à exaustão, e foi o que aconteceu em vários pronunciamentos de deputados da base do governo na sessão de ontem, presidida por Rodrigo Maia.

No pronunciamento feito pelo advogado de Temer, Antonio Cláudio Mariz, na abertura da sessão, foi dito que a “armação” contra o presidente ocorreu no momento em que o país avançava. Subentende-se que a permanência de Temer garantirá a retomada daquela tendência positiva.

É uma ilusão. Porque é certa pelo menos mais uma denúncia contra o presidente pela PGR, que deve acusá-lo de obstrução da Justiça, no caso do pagamento de propinas ao ex-presidente da Câmara, o ex-deputado Eduardo Cunha, e ao operador financeiro Lúcio Funaro, para que ambos permaneçam em silêncio e não façam acordos de delação premiada.

O assunto é mencionado na conversa entre Temer e o empresário Joesley Batista, gravado por este, em uma noite de março, nos porões do Palácio do Jaburu. Um dos donos do grupo JBS, Joesley relata a Temer que ajuda Cunha e Funaro, e é logo encorajado pelo presidente: “Tem que manter isso, viu?”

Depois, na delação propriamente dita ao Ministério Público, o empresário revelou que já entregara R$ 5 milhões ao ex-deputado fluminense e repassava R$ 400 mil por mês a Funaro, conhecido por ser operador financeiro do PMDB, provavelmente do próprio Temer.

A apresentação de mais uma denúncia — com a possibilidade de haver uma terceira, sobre organização criminosa — reativará a crise política, e o governo mais uma vez será obrigado a concentrar esforços para que aconteça o que houve ontem: que a Câmara rejeite a autorização a fim de que o Supremo analise a acusação da PGR.

O ambiente de crise manterá a hostilidade à aprovação de emendas essenciais ao país. Caso da reforma da Previdência, a mais importante causa do descontrole dos gastos públicos. Em vez de votar no Congresso o que é necessário, o governo terá as energias drenadas, mais uma vez, pela crise. Um mal para o país, contra a retomada do crescimento, para amenizar o desemprego e fazer o Brasil retornar aos trilhos.

Depois de dois anos de grande recessão (8%, índice histórico, e queda de 10% na renda per-capita), a economia parou de cair, mas não ganha tração para se recuperar na velocidade necessária a fim de reduzir um desemprego de ainda 13 milhões de pessoas. Estabilizar o quadro político é crucial para se avançar na agenda das reformas e ajudar a economia.

A própria fragilização de Temer, ao negociar apoio na Câmara contra o pedido da PGR de abertura do processo, já colocou sob ameaça avanços na reforma trabalhista. O imposto sindical, por exemplo, eliminado de forma acertada, pode ressuscitar por medida provisória, batizado com outro nome.

A decisão soberana da Câmara prorroga a crise, em vez de saná-la. O Brasil, porém, até aqui mostrou que é maduro para enfrentar a situação. Como este jornal vem reiteradamente afirmando, não há outro remédio a não ser seguir a Constituição.

É ela que dá o mapa para transitarmos por tempos tão complicados.

O Governador Robinson Faria se reuniu com o Diretor Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Décio Oddone, na manhã desta quinta-feira, 03, na sede da ANP, no Rio de Janeiro, para tratar sobre o processo de redução dos investimentos da Petrobras e os leilões de campos maduros no Rio Grande do Norte, previstos para o mês de setembro próximo.

Acompanhado pelo secretário de Desenvolvimento Econômico, Flávio Azevedo, do Presidente da Potigás, Beto Santos, e dos representantes da cadeia produtiva do petróleo de Mossoró, o governador relatou os impactos econômicos da queda dos investimentos da Petrobras no Rio Grande do Norte e solicitou a democratização do acesso ao leilão para contemplar o empresariado local com o objetivo de melhorar os indicadores econômicos e a geração de emprego. “O desaquecimento das atividades econômicas relacionadas à exploração de petróleo abalou a economia de Mossoró e do Rio Grande do Norte. Estou aqui para defender a geração de alternativas de enfrentamento à crise”, cobrou Robinson Faria.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Flávio Azevedo, defendeu uma participação maior do empresariado local no processo produtivo. “Compreende as exigências diante dos riscos inerentes à atividade. Mas o tamanho dos blocos excede a capacidade de investimento dos empresários locais”, ressaltou.

“Com o leilão dos poços, ainda mais produtores independentes terão acesso ao mercado do gás e a Potigás não pode perder esse movimento de vista. Vai alterar a dinâmica do mercado e a concessionária estará à frente para garantir a regularidade de suas operações”, alertou Beto Santos.

O presidente da RedePetro/RN, Guthemberg Dias, destacou a importância da reunião de iniciativa do governador. “Vamos conversar com os empresários de acordo com os entendimentos com a ANP. A cadeia de Mossoró tem mão de obra qualificada e todas as condições de reativar e construir perspectivas de futuro a médio e longo prazo”, garantiu.

O Diretor Geral da ANP, Décio Oddone, anunciou uma visita ao Rio Grande do Norte para tratar sobre o leilão e apresentou o cenário da “Rodadas de licitação 2017 – Potenciais Impactos no RN “. A produção da Petrobras no RN caiu para 50 mil barris de petróleo/ dia e 1220 mil m3/ dia, segundo a média de junho de 2017. O Estado é o sexto produtor nacional de petróleo e gás com 4.161 poços produtores e 7.108 poços perfurados.

“Tudo que ouvi de vocês está 100% alinhado com o que estamos trabalhando. Estamos vivendo a maior transformação da indústria de petróleo da história do Brasil. A sociedade precisa entender os benefícios que esse novo momento pode gerar”, complementou Oddone.

O Serviço Social do Comércio do Rio Grande do Norte (Sesc RN), instituição do Sistema Fecomércio, está com inscrições abertas para o 3º Curso de Folclore e Cultura Popular do RN. Realizado em parceria com a Comissão Norte-rio-grandense de Folclore, o curso focará na cultura papa-jerimum com palestras de 27 facilitadores e 7 aulas-show. As inscrições podem ser feitas até o dia 18/08 nas Centrais de Relacionamento das unidades Sesc Cidade Alta e Zona Norte, ambas em Natal.

 

O 3º Curso de Folclore e Cultura Popular acontecerá entre 19 de agosto e 21 de outubro, sempre aos sábados, no auditório do Sesc Cidade Alta. Os valores variam de acordo com a categoria, sendo R$ 30,00 para comerciários, R$ 40,00 para conveniados e R$ 50,00 para usuários. O curso terá um total de 40 horas e será emitido certificado para os participantes.

 

Artesanato, culinária, lendas e crendices, literatura de Cordel, teatro de João Redondo, religiosidade, autos e danças populares serão alguns dos temas abordados em um total de dez encontros. Entre os facilitadores, estarão nomes como Iaperi Araújo, Severino Vicente, Daliana Cascudo e Carlos Zens. Desde 2015, 331 pessoas foram formadas pelo curso promovido pelo Sesc, que visa difundir, valorizar e perpetuar as diversas manifestações culturais populares do estado.

 

Mostra Sesc de Arte e Cultura

 

A iniciativa integra a Mostra Sesc de Arte e Cultura, projeto realizado pelo Sesc durante todo o mês de agosto em Natal, Macaíba, Mossoró, Caicó, São Paulo do Potengi e Nova Cruz. Na diversificada programação cultural, estão shows musicais com artistas locais, capacitações, apresentações teatrais e o projeto Sonora Brasil, que trará ao RN o show do grupo sergipano Samba de Parea da Mussuca. A programação completa está disponível no site do Sesc, o www.sescrn.com.br

 

O projeto acontece há 10 anos no Sesc Zona Norte e, há quatro anos, é promovido no formato simultâneo em diversas cidades potiguares.

A alta no turismo potiguar se mantém apesar da crise financeira nacional. Ações promocionais de divulgação aliadas a medidas de incentivo ao turismo executadas há pelo menos dois anos pelo Governo do RN, por intermédio da Secretaria de Estado do Turismo do RN e Empresa Potiguar de Promoção Turística (Emprotur) tem apresentado, de forma constante, números de crescimento no fluxo turístico no Estado.

O aumento no mês de julho foi de 15,5% ou acréscimo de 31.462 turistas no fluxo turístico pelo Aeroporto Internacional de São Gonçalo do Amarante, se comparado ao mesmo período do ano passado, segundo dados fornecidos pelo Consórcio Inframérica. O número vai de encontro com a estimativa de “mais de 30 mil turistas” divulgado pelo secretário estadual de Turismo, Ruy Gaspar, no mês passado, a partir dos quase 300 voos extras conseguidos para o mês de junho e julho.

Esse percentual de 15,5% representa um acréscimo de mais de R$ 80 milhões na economia potiguar, ratificando a capilaridade do setor do turismo para geração de receita ao Estado.

“Temos trabalhado com inteligência para reverter tendências pessimistas do mercado e manter nosso Estado na vitrine junto às principais operadoras do turismo do Brasil e do mundo. Recentemente também acompanhamos o governador Robinson Faria para cobrar mais incentivos das companhias aéreas e tornar nosso destino ainda mais atrativo ao turista”, ressaltou Ruy Gaspar.

No acumulado do ano, entre janeiro e julho, o RN tem saldo positivo de 8,4% ou 112.937 mil turistas a mais do que os primeiros sete meses do ano passado. Os números representam uma injeção de mais de R$ 235 milhões em receita gerada pelo turismo nesse período de 2017.

“Temos divulgado e promovido nosso Estado nas principais feiras e eventos do Brasil e do mundo, com recursos do Governo Cidadão via empréstimo do Banco Mundial. Nesta sexta e sábado, por exemplo, estaremos com estande montado na Avirrp, uma das principais do setor no país e promovida no interior paulista, um dos nossos maiores emissivos”, destacou a presidente da Emprotur, Aninha Costa.

ALTA NOS VOOS

Ainda segundo dados da Inframérica, a variação no número de voos em julho nesses sete primeiros meses de 2017, se comparado ao mesmo período do ano passado, foi de crescimento de 19,6%, ou 300 voos a mais. No acumulado do ano, até o momento, a média é de alta de 5,9% ou acréscimo de 635 voos no período.

A senadora Fátima Bezerra afirmou, nesta quinta-feira, 3, que mesmo usando métodos escandalosos, fisiológicos e espúrios para garantir a manutenção do mandato, Temer sofreu uma grande derrota política na noite de quarta-feira, quando a Câmara dos Deputados negou autorização para que ele fosse processado por corrução passiva, como defende a Procuradoria-Geral da República (PGR).

“O governo teve uma vitória apenas matemática, mas do ponto de vista político, sofreu uma grande derrota, ao garantir apenas seis votos a mais do que a metade da Casa”, ressaltou a parlamentar. Ela lembrou que o governo tinha certeza de que conseguiria mais de 300 votos, quando obteve apenas 263. Por outro lado, para a senadora, enquanto a base de sustentação do governo se dividiu, a oposição, que eles diziam que não chegaria a 180 votos, conseguiu 223, demonstrando sua capacidade de coesão, firmeza e união na luta contra a agenda retrógrada de retiradas de direitos da população que o governo tenta impor. “A oposição saiu fortalecida e expressou o sentimento popular que brota no coração da maioria do povo brasileiro, que espera que o Presidente seja investigado e quer eleições Diretas Já”, enfatizou.

Para Fátima, o resultado da votação, renovou as esperanças de que é possível, em sintonia com a mobilização social e popular, barrar as propostas de reformas do governo, como a da Previdência. “Para alterar a Constituição, é necessário quorum qualificado e os votos de três quintos dos parlamentares. Ontem, ficou provado que o presidente ilegítimo, mesmo com seus métodos condenáveis, não tem esse apoio”, enfatizou a senadora. Ela chamou a atenção, no entanto, para a importância de a população se engajar nessa luta, pressionando o Congresso Nacional.

“A Câmara dos Deputados escreveu mais uma página, deplorável, da sua história, ao decidir pelo arquivamento da denúncia grave contra o Presidente ilegítimo. A Câmara, na sua grande maioria, lavou as mãos, como Pôncio Pilatos. Mas não tenho dúvida de que os parlamentares que deixaram sua digital, ontem, pelo arquivamento da denúncia contra o Presidente Michel Temer vão passar para a história como cúmplices da corrupção. Certamente haverá o momento em que eles prestarão contas de seus atos, e esse momento será muito mais em breve do que eles imaginam, porque esse momento vai se dar nas ruas e nas urnas, nas eleições que estão a caminho”, garantiu.

Quilombolas

Durante seu pronunciamento, a senadora convidou os parlamentares para participarem, no próximo dia 10, de audiência pública, na CDH, que discutirá a demarcação das terras quilombolas. Atualmente, existe uma ação direta de inconstitucionalidade (Adin), no Supremo Tribunal Federal, apresentada pelo partido Democratas, que pede a revogação do Decreto 4.887/2003, editado pelo presidente Lula e que regulamenta a titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos. A ação deverá ser julgada pelos ministros no próximo dia 16 de agosto.

“O futuro de milhões de quilombolas pelo Brasil afora está ameaçado. Se essa ação for julgada procedente, se o Democratas ganhar essa ação, todos os títulos de quilombolas do país podem ser anulados, o que seria um retrocesso social cruel. Esse decreto reparou uma grande injustiça com as comunidades quilombolas, com os negros e as negras deste país, garantindo a titularidade das suas terras”, declarou.

Segundo Fátima, na atual conjuntura do País, os quilombolas, os indígenas e as populações tradicionais têm sofrido muitos retrocessos em seus direitos. “Esperamos que o Supremo Tribunal Federal reconheça que o Decreto 4.887 é, sim, constitucional e que esses territórios já são de propriedade dessas comunidades, cabendo ao Estado apenas reconhecer esse direito. Viva a luta das comunidades quilombolas em todo o Brasil!”, concluiu.

O governador Robinson Faria, em audiência com o Ministro da Justiça, Torquato Jardim, pleiteou recursos para reforçar todo o aparato da Segurança Pública do Rio Grande do Norte. O encontro aconteceu na tarde desta quarta-feira, 2, em Brasília.

Na ocasião, Robinson detalhou ao ministro o Plano Estadual de Segurança Pública, elaborado em sua gestão. “Apresentamos um plano com as necessidades imediatas para reforço da segurança e das ações policiais, tanto da Polícia Civil quanto da Polícia Militar do estado. Contamos com a sensibilidade do Governo Federal para nos atender com os recursos necessários neste momento de extrema necessidade”, afirmou o governador.

O chefe do Executivo estadual contextualizou que o Rio Grande do Norte vivencia problemas provenientes do crime organizado e que é fundamental o apoio do Governo Federal neste enfrentamento, a exemplo do que tem sido feito em outros estados na mesma situação. Robinson ainda prestou conta das ações já realizadas pelo seu governo nesta área, incluindo o trabalho de reestruturação do sistema.

Reativação de funcionamento de junta médica, recuperação de rodovia, extensão de rede de distribuição de água e construção de cisternas em comunidades rurais foram as ações do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB), encaminhadas na primeira sessão plenária logo após o recesso parlamentar.

De acordo com os requerimentos, vão ser beneficiados três munícipios da região Seridó – Currais Novos, São Vicente e Florânia e um do Agreste – Serra de São Bento. Para Currais Novos, o deputado Ezequiel Ferreira solicitou a reativação da Junta Médica na cidade, para atender todo o Seridó Oriental.

“A reativação da Junta Médica do Estado para beneficiar a população de Currais Novos, que tem em torno de 45 mil habitantes e toda a região Seridó. Hoje quem precisa se submeter à Junta tem que se deslocar a Mossoró ou Natal e o deslocamento gera despesas pessoais”, justifica o deputado.

A BR-226, uma das mais importantes das rodovias federais que atravessam o Estado, está precisando de recuperação do trecho entre Florânia e Currais Novos, e por isso motivou o deputado Ezequiel a solicitar do DNIT a sua recuperação precisa ser executada com máxima brevidade.

Na sua justificativa o deputado registra que a quantidade de buracos no trecho dificulta o tráfego de veículos e em consequência prejuízos para escoamento da produção naquela área.

Para São Vicente, Ezequiel solicitou do Governo do Estado que o município seja incluído na relação dos próximos convênios para construção de cisternas para atender às necessidades das comunidades rurais, onde vivem mais de dois mil habitantes.

Já para Serra de São Bento, na região Agreste, Ezequiel solicitou estudo de viabilidade técnica para a extensão da rede de distribuição de água nas comunidades Serra do Meio, Rajada, Jucá. Umarí e adjacentes.

“Durante muitos anos os investimentos em adutoras se voltaram apenas para as sedes dos municípios, deixando a zona rural sem água. Com o objetivo de inserir essas comunidades no projeto, solicitamos o atendimento dessa reivindicação dos moradores da área rural de Serra de São Bento”, justifica o deputado Ezequiel.

Preocupado com a manutenção dos serviços prestados pela Casa do Pobre, em Currais Novos, o presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB), assegurou recursos em forma de emenda parlamentar na ordem de R$ 100 mil para a instituição filantrópica. O anúncio foi feito durante reunião entre a fundadora da casa, Irmã Ananília, e o parlamentar na manhã desta quarta-feira (2).

“O trabalho realizado pela Irmã Ananília, por mais de 20 anos, junto com sua equipe, de alimentar, educar e, acima de tudo, oferecer amor ao próximo, é extremamente importante para a população da toda a região Seridó. O impacto de suas ações atinge toda a sociedade”, afirma Ezequiel Ferreira.

A Casa do Pobre atende uma média de 150 pessoas por dia e também oferece serviço de acolhimento às crianças para adoção, por meio de um projeto chamado de Casa Lar. A instituição abriga atualmente 15 crianças encaminhadas pela justiça para serem adotadas.

“Esse apoio declarado pelo presidente Ezequiel Ferreira representa muito para nós que trabalhamos na Casa do Pobre. Sobrevivemos de doações e esse anúncio significa muito para as pessoas que procuram nossa ajuda”, disse o diretor financeiro da instituição, Vlaudey Liberato, que também participou do encontro na Assembleia.

A Casa do Pobre é mantida através de convênios com prefeituras e doações feitas pela sociedade. A instituição funciona em Currais Novos, na Rua Dix Sept Rosado, 242, Centro. Telefone: (84) 3412.3864.

Homenagem
Em março de 2015, a fundadora da Casa do Pobre Irmã Ananília, recebeu da Assembleia Legislativa a Medalha de Mérito Social “Maria do Céu Fernandes”, em reconhecimento ao trabalho desenvolvido no Seridó há mais de 20 anos.

Durante pronunciamento realizado nesta quarta-feira (2), a senadora Fátima Bezerra denunciou, mais uma vez, o descaso do governo do presidente Michel Temer com a educação e, particularmente, com as universidades e os institutos federais. “Nós estamos correndo o risco de retroceder à era tucana, na época do governo Fernando Henrique Cardoso, quando as universidades não tinham dinheiro sequer para pagar suas contas de água e energia elétrica. Isso é um crime”, disse.

Fátima informou que os cortes no Orçamento estão inviabilizando a manutenção dos cursos, paralisando obras e provocando a suspensão dos serviços de limpeza e segurança na rede de ensino público do país. “Enquanto Michel Temer distribui emendas, cargos e o próprio orçamento público para garantir o arquivamento da denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República contra ele pelo crime de corrupção passiva, as atividades de ensino, pesquisa e extensão das universidades públicas e institutos federais estão ameaçadas. Nossas universidades não conseguirão pagar as contas a partir de setembro”, denunciou Fátima.

No Rio Grande do Norte, segundo a Associação dos Docentes da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Adurn – Sindicato), em apenas um ano, a universidade regrediu oito anos em termos de disponibilidade de recursos. Já o Instituto Federal do Rio Grande Norte sofreu um contingenciamento de 15% nas verbas de custeio e de 40% nas verbas de investimento.

As bolsas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico-CNPq também serão prejudicadas. Se não houver uma ampliação dos limites de empenho, o conselho ficará impedido de cumprir os compromissos assumidos.

Denúncia

Antes de concluir seu pronunciamento, a senadora Fátima afirmou que, caso o balcão de negócios instalado no Palácio do Planalto obtenha êxito, caso a negociata operada pelo Presidente ilegítimo em troca de votos favoráveis ao arquivamento da denúncia alcance sucesso, a Câmara dos Deputados escreverá uma das páginas mais tristes da sua história e aprofundará o abismo existente entre o Parlamento e a sociedade. “ Aqueles e aquelas que mancharam suas biografias apoiando o golpe e que continuam dando sustentação a este governo ilegítimo serão cobrados pela história, e, antes disso, nas ruas e nas urnas nas próximas eleições”, destacou.

Manifestantes fazem diversos protestos pelo país nesta quarta-feira (2), dia em que a Câmara dos Deputados discute a denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB).

Temer foi denunciado ao Supremo Tribunal Federal (STF) em junho por corrupção passiva, com base nas delações de executivos do grupo J&F, que controla a JBS. No entanto, o STF só poderá analisar a denúncia contra o presidente se a Câmara autorizar.

Os protestos contra Temer pedem a sua saída e eleições diretas. A Câmara já abriu a sessão que vai analisar a denúncia (acompanhe ao vivo).

Foram registrados atos em dez estados: Acre, Ceará, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte e São Paulo.

Os protestos pedem que a Câmara dos Deputados aceite a denúncia contra o presidente Michel Temer. Há também manifestações que fecharam ruas e rodovias contra o aumento dos impostos sobre os combustíveis. Já os servidores de instituições federais de ensino protestam contra o corte de verbas.

Além da redução de impostos, os caminhoneiros querem mais segurança nas estadas, preço mínimo para o frete e aposentadoria diferenciada. No último dia 20, o governo anunciou um decreto aumentando a alíquota do PIS e Cofins sobre os combustíveis. A tributação sobre a gasolina subiu R$ 0,41 por litro; a do diesel, R$ 0,21; e a do etanol, R$ 0,20 por litro.

Veja a situação dos protestos em cada estado:

Acre

Servidores técnico-administrativos da Universidade Federal do Acre (Ufac) fazem um protesto, nesta quarta-feira (2) em Rio Branco, contra a redução de recursos para as universidades. Ao menos 80 pessoas participam do ato no campus da instituição nesta manhã. A Ufac teve redução de 16% em preasses do Ministério da Educação (MEC), o que corresponde a R$ 11 milhões a menos para custeio com manitenção e investimento.

Ceará

Manifestantes contrários a Temer bloquearam um trecho do 4º Anel Viário, que faz parte da rodovia BR-020, no cruzamento com a Avenida Osório de Paiva, em Fortaleza. O protesto começou às 6h40 e terminou às 8h15, com ação da Tropa de Choque no local.

Segundo a PRF, cerca de 60 manifestantes participaram do protesto nas vias. Os organizadores não divulgaram estimativa de participantes. O protesto foi convocado pela Frente Brasil Sem Medo. Os participantes levaram bandeiras e faixas pedindo a saída de Michel Temer e “Diretas Já”.

Distrito Federal

Em frente ao Congresso, em Brasília, policiais formavam uma barreira para impedir a aproximação dos manifestantes e evitar invasões.

Servidores da Universidade de Brasília (UnB) paralisaram as atividades nesta quarta-feira (2) e promoveram atos no prédio da reitoria. O protesto integra um movimento nacional para pressionar deputados a votar pela continuidade da denúncia contra o presidente Michel Temer e contra os cortes de verbas para a manutenção das universidades. Na UnB, o protesto também visa barrar a demissão de funcionários terceirizados.

Goiás

Servidores técnico-administrativos das três instituições federais de ensino de Goiás fazem protesto contra a redução de recursos para as universidades e reformas propostas pelo governo do presidente Michel Temer (PMDB). De acordo com o sindicato da categoria, cerca de 150 pessoas participam da manifestação

O ato começou por volta das 8h30 em frente à reitoria do IFG, no Setor Oeste. O grupo afixou faixas e cartazes no prédio, e se divide para fazer discursos relatando prejuízos causados pelor cortes de investimentos.

Mato Grosso

Caminhoneiros voltaram a bloquear um trecho da BR-163 em Sorriso, a 420 km de Cuiabá, e também fecharam um trecho da BR-070, em Barra do Garças, a 516 km da capital. Segundo a Rota do Oeste, concessionária que administra a rodovia, o grupo que fechou a BR-163 é o mesmo que protestou na terça-feira (1º) contra o aumento do PIS/Cofins sobre os combustíveis.

O grupo impede a passagem de veículos pesados. Apenas os que transportam carga viva e produtos perecíveis têm passagem liberada, assim como os outros tipos de veículos, além de carros oficiais e ambulâncias. A fila de congestionamento no local chegava a 1 km por volta das 9h.

Minas Gerais

Caminhoneiros fizeram ao menos três protestos na BR-040 nesta manhã, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF). Eles criticam o aumento dos combustíveis. “Os transportadores não suportam mais os altos custos dos insumos que incidem sobre o frete”, disse o presidente do Sindtanque-MG, Irani Gomes.

No km 511, em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, os manifestantes colocaram fogo fecharam duas duas pistas no sentido capital mineira. No km 466, em Sete Lagoas, e no km 602, em Congonhas, ambas as cidades na Região Central, a interdição era parcial – ônibus e carros eram autorizados a passar.

Caminhoneiros também interditaram parcialmente a BR-251, próximo a Francisco Sá. O protesto começou às 6h30 e, até as 9h, a BR permanecia interditada. Segundo os caminhoneiros, não há previsão para liberação da pista, e o trânsito está liberado para automóveis, ambulâncias e ônibus.

Paraná

Caminhoneiros retomaram nesta quarta as manifestações em rodovias do Paraná. A categoria protesta desde terça-feira contra o aumento dos impostos sobre os combustíveis, que tem encarecido o produto nos postos. Até as 10h30, a Polícia Rodoviária Estadual (PRE) registrava ao menos três pontos de bloqueios nas estradas. Por volta das 12h um deles tinha sido liberado.

Pernambuco

Um protesto contra Temer, promovido pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), interditou um trecho da Rodovia BR-101, na Zona Oeste do Recife. O ato, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), reuniu cerca de 200 pessoas. Os organizadores não divulgaram números. O protesto foi inciado por volta das 6h30 e os dois sentidos da rodovia foram liberados às 8h15.

Rio de Janeiro

Trabalhadores protestam nesta manhã no Centro de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense. Eles querem a aceitação da denúncia contra o presidente Michel Temer. O ato foi convocado pelos sindicatos e associações de servidores da Faetec, da Uenf, da Uerj e dos bancários. Nem os organizadores nem a Polícia Militar divulgaram quantas pessoas participam do ato.

O grupo pede ainda a regularização dos salários e repasses às instituições e também reclamam do acúmulo de função.

G1

Depois de quase um ano, o país volta a acompanhar uma votação no Congresso para decidir o destino do presidente da República. No caso de Dilma Rousseff, o processo de impeachment, por crime de responsabilidade, por desmandos fiscais, foi encerrado em 16 de agosto, no Senado, com o impedimento da presidente petista. Hoje, seu então vice, Michel Temer, enfrenta outro tipo de escrutínio: um pedido da Procuradoria-Geral da República para que a Casa permita ao Supremo Tribunal deliberar sobre se o processa, como deseja a PGR, por corrupção passiva.

Duas decisões sobre o futuro de um presidente em tão pouco tempo, longe de diagnosticarem alguma avaria grave nas instituições, atestam, ao contrário, o saudável funcionamento delas. Têm resistido, inclusive, a propostas heterodoxas, contra a Constituição, como a antecipação das eleições de 2018, enquanto sinalizam que as únicas saídas para a crise são as estabelecidas na Carta — a Câmara nega o pedido da PGR, ou o aceita; neste caso, fica-se à espera de os 11 ministros do Supremo abrirem ou não processo contra Temer.

Caso abram, o presidente será afastado por até 180 dias, assumindo Rodrigo Maia, presidente da Câmara. Se for condenado, perde o cargo, e Maia convoca eleição indireta para 30 dias depois. Absolvido ou caso nada aconteça em seis meses, Michel Temer volta ao Planalto. Não há o que discutir.

Também não existe dúvida sobre qual o melhor voto a ser dado na sessão que decidirá o destino do pedido da PGR: é permitir que o Supremo julgue Michel Temer. Talvez sequer ocorra esta sessão. Pode ser que pelo fato de o Planalto, por não ter força, assim como a oposição, para garantir o quórum mínimo de 342 deputados e votar o relatório em favor de Temer, do deputado tucano Paulo Abi-Ackel (MG), fique tudo pendente, e o governo assuma o discurso de que vale este relatório.

Assim, tudo continuará como está. Instável, inseguro, até outubro de 2018, mês da eleição. Pode-se, ainda, aguardar nova acusação da PGR, por outros crimes — obstrução da Justiça ou participação em organização criminosa. Nessa hipótese, repete-se o rito.

Hoje ou quando for a votação, e mesmo que ela não ocorra, estão em confronto, nas acusações a Michel Temer e na sua defesa, duas concepções do que é exercitar a política com ética. Numa, tudo pode ser relevado, se o governo tem propósitos corretos na economia, por exemplo. Na outra, valem a lei e a ética, independentemente de ideologias e partidos.

O vice-presidente recebeu de fato uma herança maldita, devido à decisão de Dilma, sob as bênçãos de Lula e PT, de aproveitar a crise mundial deflagrada em 2008/9 para aprofundar o “novo marco macroeconômico”, no velho modelo nacional-populista de intervenção do Estado na economia, inspirado nos pensamentos fracassados da esquerda latino-americana do pós-guerra. Sabe-se o que aconteceu: recessão profunda, histórica, 14 milhões de desempregados e inflação. Os juros precisaram ficar em patamares ainda mais elevados, o que, em um primeiro momento, agrava a recessão, um efeito colateral inevitável. Mas, com o passar do tempo, o ajuste avançou, embora tenha estancado com a crise política deflagrada pela conversa nada republicana do presidente com o empresário Joesley Batista, origem do pedido de investigação da PGR, divulgado pelo GLOBO.

Temer assumiu com uma competente equipe econômica e estruturou uma correta agenda de reformas, em que se destacam as da Previdência e a trabalhista. Em função disso, defende-se a permanência dele no Planalto, e faz-se vista grossa ao que aconteceu naquela noite de março nos porões do Palácio do Jaburu, em que o presidente recebeu o empresário do grupo JBS, Joesley Batista, este com um gravador no bolso.

Repete-se o truque do PT, de justificar a participação de estrelas do partido na roubalheira do mensalão e petrolão pela causa do combate à pobreza. É um erro: nada pode atenuar o crime de corrupção ou qualquer outro. Ter este comportamento é praticar a política miúda. Significa não aproveitar o momento histórico do enfrentamento que organismos de Estado fazem dos desvios do dinheiro do contribuinte no âmbito do Executivo e Legislativo, para que, enfim, se dê um choque forte de ética na política e seja estabelecido para valer o princípio republicano de que a lei vale de fato para todos.

Confirmada a autenticidade do áudio por peritos da Polícia Federal, resta entender o sentido claro do entrecortado diálogo entre Temer e Joesley, e complementá-lo com o vídeo de Rodrigo Loures — que agendara aquela visita de Joesley ao presidente —, correndo em uma rua de São Paulo com uma maleta em que estavam R$ 500 mil. Era propina acertada pelo empresário com o deputado suplente do PMDB paranaense, que Temer indicara a Joesley para resolver “tudo”, inclusive uma pendência com a Petrobras no Cade, em torno do preço do gás fornecido pela estatal a uma termelétrica do JBS. Os R$ 500 mil eram uma parcela pelo serviço prestado pelo representante de Temer, acusa a PGR. O conjunto desta obra é complementado por depoimentos do empresário e de um diretor da JBS que participou dos acertos com Loures, Ricardo Saud.

Ora, o que o Ministério Público Federal entende sobre o comportamento do ex-presidente Lula nas relações promíscuas com empreiteiras precisa valer para todos. Não pode existir uma metodologia de interpretação de fatos entre procuradores e juízes que só valham para o PT. Evidências e indícios são provas válidas para que se abram processos. Isso tem acontecido com vários políticos, Lula um deles. Inconcebível é fazer de conta que nada houve de pelo menos estranho no relacionamento entre Temer, JBS, Joesley, Loures e outros.

Lula está para a OAS no caso do tríplex do Guarujá como Michel Temer para a JBS no assunto do gás da termelétrica. Sem falar na triangulação com Joesley, Eduardo Cunha e Lúcio Funaro, um relacionamento também suspeito, mas ainda na dependência de delações e investigações. Assim como as instituições prestam conta à sociedade no desmantelamento do petrolão, em que se lambuzaram PT, PMDB e PP, a nação precisa ter inúmeras dúvidas respondidas sobre a atuação do presidente Michel Temer nesses meandros dos subterrâneos das finanças ocultas da política. Também por isso, ele precisa ser processado. E nisso as próprias reformas serão ajudadas. Um presidente fraco, sob suspeição, é que não conseguirá tocá-las.

POR O GLOBO

Em continuidade ao trabalho para implantação do Termo de Ajustamento de Conduta, que irá melhorar a assistência à saúde em sete municípios do estado, estiveram reunidos na manhã desta quarta-feira, 2, na sede da Sesap, o Secretário George Antunes, a promotora do MPRN, Iara Pinheiro, e o presidente da Federação dos Municípios do RN (Femurn), Benes Leocádio.

O representante dos municípios conheceu os números (leitos, atendimentos, custos, taxas de ocupação) das unidades que devem ter seu perfil de atendimento modificado. O gestor da Sesap demonstrou em números que a pulverização dos recursos tem impedido o funcionamento da rede de assistência no interior. “Nossas propostas são de atuar em parcerias, em ter estruturas de atendimento especializado que possam dar continuidade ao trabalho da atenção básica prestada pelos municípios, por isso o discurso do fechamento é improcedente”, declarou George Antunes.

A promotora Iara Pinheiro lembrou que a proposta do TAC é promover um ganho coletivo, de modo que os recursos realocados sejam mantidos na Região, beneficiando usuários e gestores e promovendo o funcionamento em rede. “A Sesap, com todas as dificuldades, é quem pode melhorar a assistência hospitalar básica no interior do estado, em complemento à assistência básica prestada pelos municípios”, reforçou.

O representante dos municípios demonstrou empenho em encontrar um consenso entre os gestores municipais. “Precisamos raciocinar fazendo a avaliação do custo-benefício em um debate técnico”, declarou Benes Leocádio. Também participaram da reunião o diretor da Femurn, Edivan Martins, e o coordenador de hospitais da Sesap, Carlos Eduardo Costa.

O Secretário George Antunes vem mantendo a agenda de reuniões com os prefeitos dos sete municípios envolvidos na proposta. Já aconteceram reuniões com os gestores de Apodi, Acari, São Paulo do Potengi e Canguaretama. O Termo de Ajustamento de Conduta foi assinado no mês de junho, por Ministério Público e Governo do Estado. O documento prevê mudança na perfilização de hospitais estaduais em Acari, Angicos, Apodi, Canguaretama, Caraúbas, João Câmara e São Paulo do Potengi.

www.scriptsell.net