Posted on out 25, 2014 in Policial

Polícia indicia presos do Presídio Federal de Mossoró por ataques em Santa Catarina

Presos catarinenses que estão na Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte, constam entre os 80 indiciados pela Polícia Civil como os principais mandantes da onda de atentados que já tem 114 casos de violência registrados em Santa Catarina desde setembro.

Eles são integrantes dos chamados 1º e 2º ministério da facção criminosa Primeiro Grupo Catarinense (PGC), que age dentro e fora das cadeias, e foram transferidos para o Regime Disciplinar Diferenciado (RDD) em fevereiro do ano passado justamente pelo envolvimento em outras duas ondas de crimes nas ruas.

Ao final do inquérito para identificar os mandantes dos ataques, a conclusão da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) é de que esses criminosos novamente estão por trás das ordens de incêndio a ônibus e tiros contra policiais e forças de segurança.

Os detalhes foram revelados na tarde desta quinta-feira, em entrevista coletiva na Deic, em Florianópolis, em que estavam presentes cinco delegados. Nenhum nome dos 80 indiciados foi divulgado.

Também foram indiciados os 21 presos catarinenses transferidos recentemente para a Penitenciária Federal de Porto Velho, em Rondônia, outros detentos que estão no sistema prisional estadual e um grupo de outras 10 pessoas que ainda está em liberdade.

O delegado da Divisão de Repressão ao Crime Organizado (Draco) da Deic, Procópio Batista da Silveira Neto, disse que todos os 80 indiciados têm histórico criminal e já foram presos alguma vez.

O policial não revelou se as ordens para os ataques partiram dos presos catarinenses que estão em Mossoró nem como elas teriam sido transmitidas em razão do sigilo policial e de inteligência das investigações em andamento.

No meio da crise dos ataques, o delegado declarou à RBS TV que as ordens haviam partido de presos de Mossoró, versão negada mais tarde pelo delegado-geral da Polícia Civil, Aldo Pinheiro D’Ávila, em entrevista coletiva.

Nesta ocasião, estava presente o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que comanda as prisões federais e que negou qualquer possibilidade de as mensagens do crime organizado terem partido de Mossoró.

Além das lideranças do PGC, a Deic afirma ter conseguido identificar os criminosos que repassaram as ordens e boa parte dos que executaram os ataques nas ruas. Segundo o delegado Procópio, a origem dos ataques é em grande parte do sistema prisional.

— Não existe uma justificativa que se dá para que esses atentados ocorram e sim um mero pretexto da organização criminosa de chamar a atenção política e midiática — declarou o delegado, levando em conta a ação da facção em razão da repressão policial e supostas mazelas do sistema prisional.

Pedidas novas prisões de envolvidos

O inquérito foi entregue ao Judiciário nesta quinta-feira. A Deic pediu a prisão preventiva dos 80 indiciados.

Eles responderão por organização criminosa, em alguns casos qualificada por emprego de adolescentes, uso de arma de fogo, exercer função de liderança e manter contato com facções criminosas diferentes a qual o investigado pertence.

Os policiais esperam que todos os indiciados respondam também por cada ataque registrado no Estado, o que aumentaria as penas.

Uma outra possibilidade levantada pela Deic é que, com o novo fato criminoso envolvendo os presos de Mossoró, a Justiça possa renovar a permanência deles em prisão federal – em fevereiro de 2015 a transferência deles completará dois anos.

Na apuração, cerca de 20 adolescentes foram identificados como participantes dos crimes.

Aliança com facção do Norte

Na investigação dos atentados, a Deic apurou que os presos líderes do PGC se aliaram a uma facção criminosa do Norte do país.

A polícia não divulgou o nome da quadrilha nem como estaria se dando essa associação, apenas que seria em razão de suposta parceria nas ideologias do bando.

Diogo Vargas

midia radio

Leia Mais

Posted on set 22, 2014 in Policial

PF prende vendedor de rede da PB transportando 52 kg de drogas

jJulimar Araujo Costa - imagem O Câmera

O vendedor de redes Julimar Araújo Costa, de 50 anos, foi preso neste sábado, 20, pela Policia Federal de Mossoró e Natal transportando 52 quilos de drogas num caminhão F1000. Portava na ocasião uma pistola calibre 380 e mais de 50 munições. Julimar é natural de São Bento, onde sobrevive vendendo redes. Os agentes da Polícia Federal o flagraram na RN 015, no trecho entre Mossoró e Baraúna. Eram 42 quilos de maconha, 8 de crack e 2 quilos de cocaína. O agente Paulo Nascimento informou que o suspeito disse que estava vindo do Estado do Piauí e estava levando a droga para São Bento. Entretanto, a PF tem motivos para acreditar que a droga seria para traficantes de Mossoró. Julimar foi autuado em flagrante por tráfico de drogas na Delegacia da Policia Federal e depois encaminhado para a Cadeia Pública, onde vai aguardar julgamento. Pode pegar de 4 a 15 anos de prisão.

nobrega

 

Leia Mais

Posted on set 13, 2014 in Policial

Polícia cumpre 12 mandados de busca e apreensão nas cidades de Acari e Cruzeta

ivanildo-pereira - foto divulgação

Dando continuidade à “Operação Brasil Integrado”, as equipes das polícias civil e militar cumpriram 12 mandados de busca e apreensão, sendo sete na cidade de Acari e cinco no município de Cruzeta.
Segundo a Degepol (Delegacia Geral da Polícia Civil), a operação resultou na apreensão de dois adolescentes e na prisão em flagrante de Ivanildo Pereira de Meneses, 43. Ivanildo foi autuado por tráfico de drogas e posse ilegal de munição.
Além disso, foram apreendidos crack, cocaína, munições de calibre 38 e 32, mais de R$ 3 mil, cadernos de anotação, celulares, balanças de precisão, punhais, canivete, relógio, bastão e uma placa veicular de Currais Novos (NNZ 3851).

Brasil Integrado
Deflagrada entre os dias 2 e 4 deste mês, a “Operação Brasil Integrado” é uma iniciativa do Ministério da Justiça para o enfrentamento, de maneira articulada, aos mais diversos crimes em todos os nove estados do Nordeste.
Durante 72 horas, equipes da Polícia Civil, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Itep, Centro de Inteligência da Sesed, além da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e do Exército Brasileiro realizaram barreiras policiais cumprindo mandados de prisão e de busca e apreensão, fiscalização de produtos controlados e contra crimes ambientais, abordagens a pessoas, a veículos e a estabelecimentos, além de blitze da Lei Seca.
A operação resultou em dezenas de prisões, apreensões de armas, munição, drogas e veículos roubados, e recaptura de fugitivos do sistema prisional.

Projeto Divulgação Jornal

Leia Mais

Posted on set 10, 2014 in Policial

Assassino do professor Carlos Magno é preso em São Paulo

Delegado Inácio Rodrigues

O delegado Inácio Rodrigues, de Pau dos Ferros, localizou e prendeu o principal acusado de matar o professor universitário Carlos Magno Viana Fonseca, em 2011, no Alto Oeste Potiguar. Com o apoio da Polícia Civil de São Paulo, Francisco Rafael Leite Mendes – já condenado pelo latrocínio e ocultação de cadáver a 26 anos, 9 meses e 15 dias de reclusão – foi preso, na última segunda-feira (8), enquanto caminhava por uma rua do município de Peruíbe, no interior de SP. O crime também foi investigado pelo mesmo delegado e solucionado em detalhes.

Além de Rafael Leite, participaram do crime Elias Rodrigues Nunes e Ivan Bueno Junior, que à época do crime era menor. O trio planejava assaltar um comerciante da cidade de Encanto, mas não conseguiu, uma vez que este não fez o percurso habitual entre Coronel João Pessoa e sua cidade. Neste trecho, os assaltantes encontraram o professor Carlos Magno, simularam um acidente e anunciaram o assalto. Roubaram celular, dinheiro e objetos eletrônicos, atiraram na cabeça do professor e atearam fogo no veículo com o corpo dentro.

Após investigação, o delegado Inácio Rodrigues prendeu os três suspeitos. O menor foi encaminhado para Justiça aplicar a pena de medida socioeducativa e os dois maiores para o presídio, onde iriam aguardar a sentença judicial. Entretanto, antes que isso pudesse acontecer, Rafael Leite fugiu do CDP de Pau dos Ferros.

nobrega

Leia Mais

Posted on set 5, 2014 in Policial

Operação resultou na prisão de 145 pessoas no RN, diz Sesed

abordagem - divulgação

A Secretaria Estadual de Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed) divulgou, na manhã desta sexta-feira (5), o balanço da “Operação Brasil Integrado”, que ocorreu entre os dias 2 e 4 de setembro na região Nordeste do país, reunindo efetivo da Polícia Civil, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, ITEP, Centro de Inteligência da SESED, além da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) e do Exército Brasileiro. Ao todo, o Governo afirma que 145 pessoas foram presas durante os três dias.
Durante o período, o grupo realizou barreiras policiais, cumpriu de mandados de prisão e de busca e apreensão, realizou fiscalização de produtos controlados possível crimes ambientais, além de abordagens a pessoas, estabelecimentos e veículos, incluindo as blitzen da Lei Seca.

abordagem 2 - divulgação

Além das prisões, o Governo do Estado afirma que seis menores foram apreendidos, foram realizadas 422 barreiras ou bloqueios policiais, com a abordagem de 6.466 pessoas e 5.253 veículos. Entre as apreensões, a operação, de acordo com a Sesed, recolheu 15 armas, 7,1kg de maconha, 1,1kg de crack, 55g de cocaína, 1,2 toneladas de explosivos e 20 veículos roubados.

De acordo com a Sesed, as ações concentraram-se mais no interior, principalmente na área de divisa com outros estados e na Grande Natal. Para o secretário Eliézer Girão, a ação nas áreas limítrofes do estado são necessárias para impedir a entrada de armas e drogas no estado.

“Falamos muito com o Ministro da Justiça, Eduardo Cardoso, sobre a importância do reforço nas fronteiras do país, por onde entram especialmente armas e drogas. Todavia, não poderíamos esquecer das divisas entre os Estados, pois sem fiscalização e policiamento nelas, os criminosos continuam atuando, e as armas e entorpecentes, circulando”, disse.

Confira os números da Operação Brasil Integrado:

145 pessoas presas
6 menores
422 barreiras ou bloqueios policiais
6.466 pessoas abordadas
5.253 veículos abordados
15 armas
7,1kg de maconha
1,1kg de crack
55g de Cocaína
1,2 toneladas de explosivos
20 veículos recuperados
24 mandados de prisão cumpridos
59 mandados de busca e apreensão cumpridos

nobrega

Leia Mais

Posted on set 4, 2014 in Policial

Serviço Reservado da PM fecha fábrica de armas suspeita de abastecer criminosos

armas-caseiras imagem o mossoroense

Na última terça-feira, o Serviço Reservado da Polícia Militar fechou uma fábrica de armas artesanais que funcionava clandestinamente no bairro Belo Horizonte. A fábrica era suspeita de fornecer armamentos para a prática de crimes ocorridos no bairro e em localidades vizinhas. O proprietário Francisco Neto foi preso por mandado judicial expedido pela 5ª Vara Criminal.
Segundo um dos investigadores da inteligência da PM, que comandou a operação, havia suspeita que várias armas estariam sendo fabricadas para serem usadas em homicídios e assaltos no bairro Belo Horizonte. A desconfiança foi repassada ao Ministério Público Estadual, que solicitou da Justiça a expedição de mandado de busca e apreensão.
“Quando chegamos ao local da denúncia, na rua Jaoem Menescal, encontramos um verdadeiro arsenal de fabricação caseira. Diante da grande quantidade de armas encontradas no fundo da casa do proprietário, prendemos o armeiro Francisco Neto, responsável pela produção de armas em grande escala”, explicou o policial.
No local, a PM encontrou 10 escopetas já prontas e centenas de peças que seriam utilizadas na fabricação de outras armas. “Havia telescópio de motocicletas, coronhas, canos de diversas espessuras, moldes de vários tipos de armas, dentre outras irregularidades”, contou.
Francisco Neto foi autuado na Segunda Delegacia de Polícia Civil e em seguida encaminhado à Cadeia Pública de Mossoró.

MIDIA KALANGO AGOSTO

Leia Mais