A perícia criminal do Rio Grande do Norte ganhará nos próximos meses um novo reforço para auxiliar na investigação, elucidação de crimes e exames de DNA. Nesta quarta-feira (23), o governador Robinson Faria assinou a ordem de serviço que autoriza a construção do primeiro laboratório forense do Instituto Técnico-Científico de Polícia, obra que terá fiscalização da Secretaria de Estado da Infraestrutura.

O laboratório vai ser construído no Complexo da Degepol, em Cidade da Esperança, e tem previsão de conclusão em dezembro deste ano.  A instalação será no antigo imóvel de Análises Químicas da Emparn, ao lado da Central de Flagrantes. O investimento é de R$ 287.075,13 com recursos próprios do ITEP. Além disso, está sendo adquirido um comparador genético que custará cerca de R$ 700 mil.

A construção do laboratório resultará em economia de tempo e recursos. Atualmente, os exames de DNA são realizados em parceria com o Laboratório Central Forense de Salvador, com capacidade média de 20 exames de comparação genética por ano, 10 a cada semestre. O laboratório também vai permitir que a perícia criminal levante perfis genéticos e identifique criminosos através de amostras biológicas de DNA.

Para operacionalização do espaço também serão usados os equipamentos enviados pela Secretaria Nacional de Segurança Pública ao estado em 2013, com investimento aproximado de R$ 600 mil. Estão na lista duas cabines de fluxo mini, dois termocicladores, uma centrífuga refrigerada, quatro microcentrífugas entre outros equipamentos.

O governador Robinson Faria destacou o caráter pioneiro da construção do laboratório. “Essa é uma conquista importante para o nosso estado e por diversos fatores. O laboratório forense vai permitir que sejam realizados exames com agilidade para solucionar os crimes. O RN nunca teve esse tipo de exame, sempre era feito na Bahia de forma muito cara e que demandava muito tempo. Esse é um avanço para a segurança pública”, disse.

O diretor-Geral do ITEP, Marcos Brandão, disse que o laboratório coloca a investigação criminal em outro patamar. “O laboratório dará à nossa investigação maior agilidade para solução de crimes. Vamos conseguir reduzir de seis meses para apenas 20 dias a emissão dos resultados. Essa é a pronta resposta que teremos para a sociedade. Nunca houve um laboratório de DNA para realização de microinvestigação, que é fundamental em qualquer investigação moderna”, observou.

Fotos: Ivanízio Ramos

O Projeto “Meu Município Meu Ambiente”, realizado pela equipe de educação ambiental do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente – IDEMA, promove atividades na cidade de Santana do Seridó até a tarde da próxima sexta-feira (25). O objetivo do projeto é conscientizar gestores municipais, professores, alunos e toda a população para a responsabilidade ambiental e desenvolvimento de projetos neste âmbito.

Essa edição conta com a participação especial do Museu Itinerante de Tartarugas, de Cabo de São roque. Além de diversas atividades que acontecerão nas tendas, instaladas à praça central da cidade, como as oficinas de reaproveitamento de resíduos sólidos, oficina de brinquedos ecológicos e produtos de limpeza sustentável exposição de literatura, artesanatos e artes plásticas, além do Cinema na Tenda que acontece no período da noite, a partir das 19h.

A comunidade participa ativamente das oficinas, onde além de adquirir conhecimentos ambientais, cria condições melhores de convivência em grupo. Segundo a subcoordenadora de educação ambiental do Idema, Silvana Gomes, a iniciativa oferece o pontapé inicial para que os municípios se fortaleçam e passem a desenvolver um trabalho contínuo nesta área.

“O objetivo de toda a programação destinada aos moradores dos municípios que visitamos é fortalecer o papel de agente multiplicador. Nossa responsabilidade é cuidar do meio ambiente, e por isso, a disseminação de ideias em educação ambiental é a principal ferramenta”, afirmou Silvana.

As atividades foram iniciadas nessa terça-feira, 22/08 e serão encerradas na próxima sexta-feira, 25.

 

 

O programa Café Cidadão teve a 12ª unidade inaugurada nesta quarta-feira (23) pelo governador Robinson Faria e primeira dama e secretária do Trabalho, Habitação e Assistência Social (Sethas), Julianne Faria, no município de Touros, a 100 quilômetros de Natal.

Robinson Faria afirmou que o programa Café Cidadão beneficia principalmente a população que mais precisa. “De segunda a sexta-feira serão servidos 300 cafés aqui em Touros, uma alimentação nutritiva e de qualidade para o nosso povo.   O nosso governo investe para promover a cidadania e melhoria da qualidade de vida das mães e pais de família do Rio Grande do Norte”, afirmou o Governador.

A unidade de Touros funcionará no horário das 6h às 8h. Pela refeição matinal o cidadão pagará apenas R$ 0,50. A secretária Julianne Faria, cuja pasta é responsável pela implementação e gerenciamento do Café Cidadão, explica que mais 10 unidades serão instaladas em outros nove municípios. “O Rio Grande do Norte é o único estado do país que conseguiu utilizar os recursos do Fundo de Combate a Fome e à Desnutrição para expandir este programa, o que mostra nosso comprometimento com a população mais carente”, destacou Julianne Faria. Ela explicou que no atual governo o programa foi reestruturado e ampliado, inclusive com a preocupação de que as refeições passaram a ser definidas e ter o seu preparo acompanhado por nutricionistas.

O prefeito de Touros, Francisco Pinheiro de Andrade, o “Assis do hospital” disse ser “muito gratificante o município receber do Governo do Estado o Café Cidadão que beneficia a população mais carente, que tem renda instável e sofre com a dificuldade para conseguir emprego”.

Auxiliar de serviços gerais, Luzineide Medeiros da Silva, 49 anos, três filhos e três netos, disse que o Café Cidadão vai beneficiar os moradores de Touros e até de municípios vizinhos que se dirigem àquela cidade em busca de serviços, como atendimento de saúde. “Estas pessoas são carentes, vêm só com o dinheiro do transporte e agora terão onde se alimentar por um preço baixo. Vai melhorar para todos nós”, afirmou Luzineide.

Além da unidade de Touros a atual gestão já instalou o Café Cidadão nas cidades de Baraúna, Monte Alegre, Felipe Camarão, Alexandria e Goianinha. No fim de setembro próximo será instalado o Café Cidadão no loteamento Aliança, bairro Nossa Senhora da Apresentação, zona Norte de Natal. Outras cinco unidades serão abertas até o fim do ano, beneficiando a população de Patu, Lajes, Tangará, Santa dos Matos e Alto do Rodrigues.

AÇÕES EM TOUROS

O Governo concluiu em janeiro deste ano a restauração da estrada que liga a BR-101 a Touros. A extensão é de 3,8 km e representou investimento de R$ 816 mil.

Por meio do programa Governo Cidadão, serão investidos R$ 741.838 em Touros, sendo:

– R$ 361.235 em projetos de acesso à água

– R$ 18.557 em capacitação

– R$ 14.512 em Controle Social (estruturação de Conselhos Municipais)

– R$ 322.534 em Inclusão Produtiva

– R$ 25 mil em projetos de inovação pedagógica.

OUTROS INVESTIMENTOS

Outras ações do Governo do Estado também beneficiam o município de Touros na área turística. Exemplo é a liberação de licenças e melhorias na infraestrutura para instalação do Hotel Vila Galé, um investimento previsto de R$ 100 milhões que vai gerar mil empregos diretos e dinamizar a economia da região com a demanda por serviços e insumos para o seu funcionamento.

O novo resort, projetado para ser o maior do Estado, terá 514 apartamentos, três restaurantes, Spa de padrão internacional, centro de convenções com área de 1.750 m² e um Clube Nep, voltado para as crianças, piscinas e quadras multiusos. O seu funcionamento é previsto para setembro de 2018.

O Vila Galé de Touros será a 8° unidade do grupo no Brasil. Ao todo, o grupo possui 27 hotéis, sendo 20 deles em Portugal e sete no Brasil. O Vila Galé é um dos principais grupos hoteleiros de Portugal e integra o ranking das 207 maiores empresas hoteleiras no mundo.

 

 

 

 

 

 

A deficiência dos serviços prestados pela União, no Rio Grande do Norte, foi considerada pelo deputado Nélter Queiroz (PMDB) como um absurdo pelos prejuízos que está causando a população de vários municípios do interior. Ele se referiu ao fechamento dos fóruns eleitorais. O parlamentar sugeriu que se a União não tem condições de manter os serviços, acabe com a obrigatoriedade do voto.

“Isso que está acontecendo é um absurdo. Essas decisões tomadas em Brasília estão prejudicando o povo que quer votar para escolher os deputados estaduais, os federais, os senadores e o presidente da República. Precisamos ir a Brasília urgentemente para reverter essa situação. O que a gente ouve do povo no interior é a pergunta: por que não se cassa esse Presidente corrupto, que inclusive é do meu partido?”, questionou o deputado.

Ele sugeriu à Mesa Diretora da Assembleia Legislativa que forme uma comissão parlamentar para ir a Brasília e mobilizar a bancada federal, porque, segundo ele, o que está faltando “é bater na mesa e exigir respeito ao povo do Rio Grande do Norte. O povo está revoltado com a nossa bancada”, asseverou Nélter.

O deputado questionou ainda o fato do Banco do Brasil está com agências fechadas em 16 municípios, algumas delas há mais de dois anos e o superintende do Banco, no Estado, não tem autonomia para reabri-las, de acordo com o parlamentar. Ele registrou também que a agência postal de Jardim de Piranhas, na região Seridó, não funciona porque os Correios não tem um vigilante armado e não há esse tipo de vigilância na cidade.

“Outra coisa: a construção da barragem de Oiticica, em Jucurutu, está quase parada. Andando a passos de tartaruga. O Ministro da Integração, Hélder Barbalho, libera dinheiro para vários municípios do Pará, mas para cá não libera. Há uma informação que está vindo R$ 10 milhões para a barragem, mas esses recursos eram para ter vindo desde março. Por isso que o povo está revoltado com a nossa bancada”, acentuou o parlamentar.

Ele também registrou a morosidade em que está se arrastando a duplicação da Reta Tabajara e defendeu que a bancada federal vá ao Presidente para pedir respeito ao povo do Rio Grande do Norte. “Quero dizer que temos bons representantes na bancada federal e aqui na Assembleia Legislativa, mas se não conseguirmos reverter essa situação, tem que se romper agora com o presidente da república, não deixar para o ano que vem”, afirmou.

JUCURUTU

Ao final do seu pronunciamento Nélter Queiroz questionou a afirmação do deputado Kelps Lima (Solidariedade), que usou suas redes sociais para dizer que o atual prefeito de Jucurutu, Waldir Medeiros, está consertando os erros de administrações anteriores, que foram conduzidas por Nelson Queiroz, Luciano Lopes, Júnior Queiroz, George Queiroz e pelo próprio Nélter.

Jackson Dantas Filho (Jornalista/assessor de imprensa).

O nascimento de um filho gera muita expectativa e ansiedade numa família. São inúmeros planos e preparativos para que a casa possa receber um novo membro. Mas e se o bebê nasce antes do esperado, prematuro? O hospital acaba se tornando uma casa para os pais da criança que passam boa parte do tempo às voltas entre o leito de UTI, conversas com os médicos e o carinho e cuidado necessários para a recuperação do filho.

No hospital Dr. José Pedro Bezerra, mais conhecido como hospital Santa Catarina, na Zona Norte de Natal, um serviço pioneiro no estado dá suporte às mães, que não moram na capital, tem seus filhos prematuros e precisam de um apoio fixo para suportar com mais leveza a dura realidade diária de verem seus bebês ainda tão pequenos e frágeis precisarem de cuidados tão complexos quanto os de uma unidade de terapia intensiva neonatal.

A Casa da Mãe Cidadã funciona dentro do hospital Santa Catarina, num espaço próximo aos leitos de UTI Neonatal, onde as mães moram até que seus filhos se recuperem e possam ir pra casa.

Alessandra Pereira, moradora do município de Parnamirim, teve seu filho com 30 semanas de gestação, ou seja, 10 semanas antes do esperado. O pequeno William nasceu em julho e se recupera na UTI Neo do hospital, enquanto sua mãe o acompanha diariamente. “Temos acesso 24 horas por dia aos nossos bebês, recebemos refeições e lanches e contamos com o apoio de toda equipe e das outras mães que também estão morando aqui”, explicou Alessandra.

A casa dispõe de três dormitórios com 16 camas no total, além de sala de estar e TV, cozinha, área de serviço e espaço para refeições, que são fornecidas pelo hospital para as mães a cada três horas.

O pequeno Samuel nasceu em maio. Com problemas cardíacos precisou fazer uma cirurgia e após o procedimento, que foi realizado em junho, está em recuperação na unidade de médio risco do hospital Santa Catarina. “Aqui a gente vive como uma família. Temos o apoio e amizade das outras mães e também de toda a equipe da UTI”, disse Cinthia Souza, mãe de Samuel e moradora do município de Extremoz.

São considerados prematuros os bebês que nascem antes das 37 semanas de gestação, e eles só recebem alta após atingirem o peso de dois quilos. No Santa Catarina estes bebês são acompanhados de perto até os dois anos de idade, por pediatras, nutricionistas, enfermeiros e psicólogos que avaliam, entre outras coisas, o ganho de peso e a cognição destas crianças – é o chamado “follow up”, acompanhamento recomendado pela Sociedade Brasileira de Pediatria.

Todas as crianças nascidas no Santa Catarina realizam os testes de orelhinha, pezinho, coraçãozinho e olhinho, este último responsável por identificar o surgimento da retinopatia (muito comum em prematuros e que pode causar cegueira). Recentemente a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) adquiriu um aparelho fotocogulador a laser que possibilitou a realização de cirurgias para correção do problema, evitando o deslocamento dos bebês para cirurgia. Os procedimentos são realizados todas as quartas-feiras por um oftalmologista neonatal especializado em retina. Estão sendo realizados, em média, 8 a 10 procedimentos por mês.

“Nossa UTI tem uma estrutura e equipe muito bem montados. Além da alta qualificada, com a realização dos exames de orelhinha, pezinho, coraçãozinho e olhinho, somos referência na qualificação de profissionais, na utilização do método canguru e temos também o suporte do banco de leite humano dentro do hospital”, explicou a diretora geral do Hospital Dr. José Pedro Bezerra, Maria José de Pontes.

Ao lado da UTI Neonatal, também funcionam os leitos de Médio Risco – para os bebês que já respiram sem ajuda de aparelhos, e os leitos da Unidade de Cuidados Intensivos Canguru (Ucinca), onde as mães e/ou outro familiar podem ter um contato mais próximo com os bebês.  É o chamado método canguru que permite o contato pele a pele com o bebê fortalecendo os vínculos familiares.

Para Flávio Roberto de Oliveira, médico neonatologista e plantonista da UTI Neonatal do Santa Catarina o funcionamento e estrutura da unidade são equivalentes aos serviços oferecidos na rede privada de saúde. “O grande diferencial desta UTI é a equipe de profissionais que temos aqui, todos comprometidos em dar seu melhor. O serviço oferecido é de excelência”.

Seguindo os preceitos da Política Nacional de Humanização (PNH) o hospital funciona com sistema de visita aberta, das 10h às 18h. E desde 1995 possui o título de Hospital Amigo da Criança, concedido pelo Unicef e renovado a cada dois anos.

Reformas

Estão previstas, com recursos da Rede Cegonha e contrapartida do Governo do Estado, diversas melhorias na estrutura do hospital como a ampliação da Casa da Mãe Cidadã, reforma do alojamento conjunto para as mães no pós-parto, ampliação física, com melhora da ambiência da UTI Neonatal e da Ucinca, além da construção de um Centro de Parto Normal (CPN).

Números 

O hospital José Pedro Bezerra foi fundado no ano de 1985. Possui 225 leitos no total e mais de 1.300 funcionários. É um hospital geral, de alta complexidade, que atende os casos de urgência e emergência, clínica médica e cirúrgica. Além disso, é referência estadual para os partos de alto risco e cuidados neonatal.

Possui 10 leitos de UTI adulto e 28 leitos de UTI infantil – sendo 20 neonatal e 8 leitos de médio risco, além de 12 leitos de cuidados canguru (Ucinca).

De janeiro a agosto o hospital realizou um total de 22.182 atendimentos, sendo 7.597 somente na área de obstetrícia. Pacientes dos municípios de Natal, São Gonçalo do Amarante, Ceará Mirim, Extremoz, Macaíba, João Câmara, Touros e Maxaranguape são os que mais procuram atendimentos na unidade.

O hospital serve ainda como campo de estágio para diversas universidades e abriga turmas de residência médica em neonatologia e de especialização em enfermeiro obstetra numa parceria da UFRN, UFMG, Rede Cegonha e Ministério da Saúde.

Débora Brandão

 

Atendendo diversas reivindicações da população e proposições de vereadores realizadas neste ano, a Prefeitura de Currais Novos através da Secretaria Municipal de Obras e Serviços Urbanos (SEMOSU) está construindo redutores de velocidade (lombadas) em algumas vias importantes da cidade com o intuito de melhorar a segurança dos motoristas e pedestres, obras estas que foram liberadas e planejadas junto ao DETRAN, que realizou duas visitas técnicas ao município e indicou os locais para a construção de 8 redutores.

De acordo com a SEMOSU, já foram construídas 5 (2 na Avenida Nair Costa, 1 na Avenida Getúlio Vargas, 1 na Rua Baldômero Chacon, e 1 na Rua do Petróleo), e todas com sinalização vertical (placa) e horizontal (pintura). As lombadas seguem recomendação do DETRAN, com medidas de 10cm de altura por 55cm de largura.

O atleta laurentinense João Batista Soares dos Santos (Joca) conquistou o 2° lugar no campeonato mundial de Jiu-jitsu, na categoria Master Masculino Branca Pena e o 3º lugar na categoria Master Masculino Branca Absoluto Livre, no campeonato Mundial BJJ PRO 2017 – GI, realizado em Fortaleza no estado do Ceará, no último final de semana. O representante seridoense ainda comemora a conquista e sonha com outros competições importantes ainda este ano.

O Prefeito de Currais Novos, Odon Jr, e o Secretário Municipal de Obras e Serviços Urbanos (SEMOSU) Lucas Galvão, se reuniram na manhã desta quarta-feira (23) com o Professor da UFRN, João Abner, com o diretor de operação e manutenção da CAERN, João Alberto, e com o engenheiro da CAERN, José Eudes, para discutirem sobre a obra que irá melhorar a qualidade da água da adutora, que atualmente chega até a central da CAERN na Avenida Getúlio Vargas e que deverá ser enviada para a Estação de Tratamento próximo à Igreja Imaculada Conceição, no bairro JK, para melhor tratamento, e, assim, ser distribuída para a população.

Para a interligação dos dois pontos, a CAERN iniciará em breve a obra que passará por ruas como Baldômero Chacon, Avenida Brasil (passando ao lado do CEJA e Biblioteca Municipal), e finalizada no início da Rua Estuessel Augusto. Na tarde desta quarta (23) uma equipe de engenheiros da CAERN e da Prefeitura irão visitar os locais das intervenções.

A Agricultura Familiar é um meio de sobrevivência de centenas de norte-rio-grandeses. O município de Upanema, distante 280 quilômetros da capital, é um bom exemplo dessa prática no Estado. O Governo do RN está construindo um Centro de Comercialização de produtos da Agricultura Familiar. O espaço que está com as obras avançadas vai servir para que os agricultores comercializem frutas, legumes, mel, castanha, queijo, entre outros. A obra tem prazo de entrega para novembro deste ano (2017), com o investimento de R$ 438 mil que beneficia diretamente 21 famílias.

“ O maior beneficiado é população que vai dispor de um centro de comercialização diário. Essa é uma conquista da Associação dos produtores e feirantes da agricultura familiar de Upanema”, afirma a Secretária da Sethas, Julianne Faria. 

A comunidade teve a parceria da prefeitura que concedeu a doação do terreno e terraplenagem. Os recursos são do Governo Cidadão por meio do Acordo de Empréstimo com o Banco Mundial. A Secretaria do Trabalho, da Habitação e da Assistência Social (Sethas) é quem coordena a ação.  

Hoje, a comercialização é realizada nos dias da feira municipal, quando a Central estiver pronta os agricultores passarão a vender seus produtos diariamente, com isso vai aumentar a renda. O espaço também vai disponibilizar venda de almoços regionais.  

Quero te fazer uma pergunta objetiva.

Quem te deu o direito de decidir sobre a vida

Ao provocares o aborto?

O que sentiste ao ver teu filho morto?

Ficaste pensativa?

Ao ver o sangue do teu filho molhando o chão

 ficaste sentida?

És uma perniciosa e no futuro a vicissitude

Irá marcar com lágrimas a tua insensatez.

E mesmo ao reconheceres a brutalidade da tua estupidez

Terás marcado para sempre a tua juventude.

R. Alves

OBS: essa é uma das poesias que estarão no meu terceiro livro com lançamento em breve

Mais duas obras serão entregues pelo Governo do Estado para impulsionar o turismo e a economia do Rio Grande do Norte. Na manhã desta terça-feira (22), o governador Robinson Faria, acompanhado por secretários de Estado, fez uma vistoria no Centro de Convenções e no Museu da Rampa, em Natal, que passam por reformas.

O Centro de Convenções, na Via Costeira, está com 50% dos serviços executados. Um novo pavilhão de eventos multiuso está sendo construído e a área do centro passará de 14,2 mil m² para 23,6 mil m². O investimento é de R$ 35 milhões.

Robinson Faria destacou que com a reforma, o local ampliará a capacidade de 6 mil para 12 mil pessoas, atraindo grandes eventos para a capital potiguar. “Nosso governo é parceiro do turismo e vem investindo cada vez mais no principal setor econômico do Rio Grande do Norte. Com o Centro de Convenções ampliado, será possível sediar eventos de grande porte, como a Campus Party, em 2018, que terá uma média de 50 mil visitantes passando por aqui”, ressaltou o governador.

O secretário estadual de Infraestrutura (SIN), Jader Torres, informou que “a cobertura já foi concluída e está sendo realizado o fechamento lateral”. Ainda de acordo com titutar da SIN, a próxima etapa será a instalação elétrica e da central de ar condicionado.

Após visitar o Centro de Convenções, o governador seguiu para acompanhar as obras do Museu da Rampa, na Zona Leste de Natal. O projeto está com 25% dos serviços concluídos e orçado em R$ 8,7 milhões. Ao todo, são 28 projetos independentes, desde paisagismo, concepção visual e acústica, além de patrimônio histórico, museologia e restauração.

O prédio do Memorial está com a estrutura concluída, sendo executados os serviços de alvenaria e acabamento. Já o museu, teve a restauração da cobertura antiga finalizada.

Robinson destacou que o museu será um espaço de valorização da história potiguar e também um novo ponto turístico na capital. “Será um novo atrativo no Estado, as margens do rio Potengi, com atrações, restaurantes, cafés e o museu para resgatar a história de nosso povo. Estou feliz com o andamento do projeto e tenho certeza que se tornará um ambiente maravilhoso para os potiguares e visitantes do Rio Grande do Norte”, comentou o chefe do Executivo Estadual.

O secretário estadual de Turismo, Ruy Gaspar, acompanhou as visitas e afirmou que os dois projetos devem “fomentar ainda mais o setor, trazendo novos visitantes e colocando o Estado na rota de grandes eventos”.

A proposta de transformação de hospitais regionais em unidades de saúde no Rio Grande do Norte foi tema de audiência pública que mobilizou deputados, agentes de fiscalização da lei, médicos e servidores da saúde estadual. O debate foi de propositura do deputado Kelps Lima (SDD). Um dos encaminhamentos foi de acompanhar as transformações para, com outras discussões, influenciar nas decisões a serem tomadas.

“Não dá para fazer uma mudança de tamanha magnitude sem ouvirmos as pessoas, especialmente as que serão afetadas pela proposta de mudança de sete hospitais regionais. Essa é a hora de trazermos esse debate para o Legislativo, que acompanha esse assunto continuamente”, defendeu o deputado Kelps Lima.

As mudanças em sete hospitais foram pactuadas em Termo de Ajustamento de Conduta celebrado entre diversos organismos do Ministério Público (Estadual e do Trabalho) e que segue recomendações do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

“Essa discussão não está considerando a fila reversa: a fila de pessoas que estão voltando para casa para esperar o atendimento. Não dá para continuar com esse modelo em que os dois entes que são responsáveis pela alta complexidade, Estado e União, não dêem as condições necessárias para a saúde do munícipe”, defendeu o deputado Getúlio Rêgo.

Para o deputado Souza Neto (PHS) é condenável que tenha havido um TAC sem discuti-lo com as cidades e os prefeitos. “Ficou a impressão que a pressa era para atender um termo de ajustamento para evitar aborrecimentos jurídicos”. A visão dele foi compartilhada pelo deputado Fernando Mineiro (PT).

“Não dá para continuar como está, mas também não concordamos com o TAC no modo como foi feito, sem discutir com os municípios. Quatro anos atrás, o TCE elaborou um diagnóstico indicando o que precisava ser modificado para dar governança ao sistema de saúde. Tais recomendações foram atendidas?”, indagou Mineiro.

Procurador-geral do Ministério Público de Contas, Ricarte César Coelho, apontou que o reordenamento é necessário na medida em que a assistência prestada precisa ser adequada à realidade da escassez de recursos.

Secretário estadual de Saúde, George Antunes exibiu planilhas mostrando a inconsistência da manutenção do atual sistema. Ele ponderou que as modificações não significam que as estruturas atuais serão reduzidas a unidades básicas de saúde.

Sindicalistas presentes na audiência protestaram contra as mudanças sem que os servidores tenham sido ouvidos.

A regulamentação da produção e comercialização dos queijos artesanais no Rio Grande do Norte foi destaque no jornal Estadão. A lei nº 10.230, de autoria do deputado Hermano Morais (PMDB) e aprovada por unanimidade na Assembleia Legislativa mantém a tradição artesanal da produção existente, consolida a preservação da cultura gastronômica, e favorece a economia rural por meio da geração de emprego e renda.

“É o legislativo potiguar como exemplo para outros estados. A nova legislação trata, entre outras coisas, das condições para a produção de queijos e manteiga artesanais, visando assegurar a qualidade e a inocuidade dos produtos. Uma das exigências é a utilização de leite proveniente de rebanho sadio, que não apresente sinais clínicos de doenças infectocontagiosas. A presença de produtores de queijos artesanais nos programas de desenvolvimento profissional e de qualidade e higiene sanitária é outro requisito abordado”, ressalta Hermano Morais.

A postagem da coluna Paladar, no portal do Estadão, destaca a produção de queijo no Seridó. De acordo a Agência de Desenvolvimento do Seridó (Adese), a região produz mensalmente 74 mil quilos de queijos de coalho, 236 mil quilos de queijo de manteiga, 506 quilos de ricota e 22 mil litros de manteiga de garrafa, empregando 1.056 pessoas. Estima-se que há mais de 350 queijarias artesanais potiguares, sendo que 311 estão nos 28 municípios do Seridó.

A lei “Nivardo Mello” contempla mais de 300 queijeiras do Estado, impulsionando o trabalho de pequenos produtores e, consequentemente, a economia do RN.

Os desafios da regularização também foram abordados na matéria. O próximo passo é definir os papéis de cada setor e para colocar em prática alguns itens exigidos na lei. De acordo com o Sebrae, por exemplo, há um centro tecnológico do queijo em Currais Novos, na região do Seridó, que praticamente não tinha função e que será reativado em breve.

“Selo Sabor Potiguar”

Outra lei que trata da qualidade dos alimentos produzidos no Rio Grande do Norte está em fase de regulamentação. A lei que institui o selo “Sabor Potiguar”, de autoria do presidente da Casa, deputado Ezequiel Ferreira (PSDB), imprime ainda mais valor aos produtos da agricultura familiar potiguar, especialmente carne, queijo e seus derivados. O Selo Potiguar se propõe a divulgar o Rio Grande do Norte entre os brasileiros. Além disso, outros países, através de produtos da agropecuária familiar, pecuária leiteira, de corte e demais agroindústrias.

Confira a matéria completa: http://paladar.estadao.com.br/blogs/so-queijo/queijos-potiguares-ganham-lei-que-fortalece-a-luta-do-leite-cru/

Para atender reivindicações de municípios das regiões Mato Grande, Trairi e Agreste, Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB), deputado e presidente da Assembleia Legislativa encaminhou ao Governo do Estado solicitação de melhorias de estrada, recuperação de delegacia, ampliação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva.

“O hospital regional Aluísio Bezerra, no município de Santa Cruz, é uma unidade responsável por atender toda a demanda da região Trairi, mas sem atendimento intensivo. Os pacientes mais graves são transferidos para Natal, sobrecarregando o sistema. O Hospital Regional Lindolfo Vidal, em Santo Antônio, presta atendimento a pelo menos 24 mil habitantes ali residentes. Atualmente, a demanda por leitos de terapia intensiva tem sido superior à oferta de vagas, chegando a haver casos de óbitos por falta de atendimento em leitos de UTI”, justifica o deputado Ezequiel.

Para Touros, a solicitação foi no sentido de que seja construído um acostamento nas imediações do trevo, no entroncamento das rodovias RN-023 e RN-064. Naquele local tem acontecido muitos acidentes por causa da falta de acostamento, uma vez que a pista é estreita.

Para o distrito de Cajueiro, também em Touros, o deputado Ezequiel Ferreira solicitou com urgência a recuperação geral da delegacia de Polícia. Outra reivindicação foi a construção de uma parada de ônibus na entrada do Tabuleiro no distrito de Boa Cica.

“Queremos formar não apenas CPFs, mas também CNPJs, atuando em um novo modelo para a ciência e a tecnologia que gere um bem social”, afirmou a reitora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Angela Maria Paiva Cruz, no debate “Café com Inovação” nesta terça-feira, 22, durante a 1ª Conferência Internacional de Inovação Tecnológica em Saúde, realizada desde a última segunda-feira, 21, no auditório da Escola de Governo, em Natal.

Durante a solenidade de abertura na segunda-feira, a reitora defendeu o papel das universidades no processo de inovação com vistas a melhorar a qualidade de vida das pessoas. Seu discurso foi complementado nesta terça-feira, quando apresentou os avanços e desafios da UFRN na área e expôs o enfrentamento das instituições públicas de ensino superior para produzir não apenas artigos e livros, mas também a inovação, cuja transformação em produtos para a sociedade depende da interação com as empresas.

O mesmo ponto de vista foi compartilhado pelos demais participantes do debate, os quais enfatizaram dificuldades para aproximar universidades e indústrias principalmente por entraves burocráticos. O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos e Odontológicos (ABIMO), Franco Pallamolla, citou que os problemas nos marcos legais são gerados pela carência de diferenciação entre política de governo e política de estado, sendo esta última necessária para fortalecer a inovação e os investimentos em ciência e tecnologia. “As instituições de ensino têm os papers, mas não conseguiram convertê-los em nota fiscal”, avaliou.

O exercício da inovação aberta no Brasil foi exposto pelo gerente de P&D da Samsung, Miguel Lizarraga, enquanto o reitor da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Pedro Fernandes, abordou os desafios da inovação dentro do processo de interiorização. Mediado pelo coordenador do LAIS, Ricardo Valentim, o “Café com Inovação” contou ainda com a presença do pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Feevale, João Alcione Figueiredo, que adicionou questões referentes à interdisciplinaridade no ensino e à retenção de talentos.

Promovida pela UFRN, por meio do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS), a Conferência segue até quarta-feira, 23, com enfoque nos impactos da inovação em saúde no Brasil. A palestra de abertura foi conduzida por Ricardo Cury, professor associado clínico da Universidade Internacional da Flórida e presidente diretor executivo da Associação de Radiologia do Sul da Flórida, que abordou o tema “Os processos e impactos da inovação no diagnóstico por imagem: experiência do Miami Cardiac and Vascular Institute”. A programação inclui palestras de Adriano Massuda, Anne Boyer, Gard Titlestad e Lucas Cassiano, além de sete mesas redondas e encerramento com a segunda Reunião da Rede Sociotécnica de Formação Humana em Saúde.

 

Marina Gadelha/Wilson Galvão – Ascom – Reitoria/UFRN – Fotos: Cícero Oliveira

Com a disparada das ações da Eletrobras nesta terça-feira (22) após o governo anunciar plano de privatização da estatal do setor elétrico, a companhia viu o seu valor de mercado aumentar quase R$ 9 bilhões em poucas horas, segundo dados da provedora de informações financeiras Economatica.

O levantamento da Economatica leva em consideração a cotação perto das 14h, quando o papel Eletrobras ON N1 era negociado a R$ 21,05 (alta de 48,52%) e Eletrobras PNB N1 a R$ 23,48 (alta de 31,91%). A forte valorização colocava a companhia com um valor de mercado de R$ 29,12 bilhões, ante R$ 20,17 bilhões no fechamento do pregão da véspera. Acompanhe a cotação

Por volta das 15h30, as ações da Eletrobras subiam acima de 45% na B3 (antiga BM&FBovespa, a bolsa brasileira).

Na parcial do dia, a Eletrobras se posicionava na 21ª posição entre as empresas com maior valor de mercado na bolsa brasileira, ante 30º lugar no fechamento da segunda-feira.

Em 2010, a Eletrobras chegou a R$ 46 bilhões em valor de mercado, segundo a Economatica, mas viu suas ações sofrerem fortes baixas nos últimos anos.

Com a forte alta da Eletrobras, o Ibovespa bateu o patamar de 70 ml pontos. A última vez que o índice fechou acima dos 70 mil pontos foi em 19 de janeiro de 2011, quando fechou em 70.058 pontos. O recorde histórico foi em 20 de maio de 2008, com 73.516 pontos.

O avanço da Eletrobras acontece após o governo anunciar plano de vender o controle da gigante do setor elétrico, em movimento que pode gerar uma arrecadação de até R$ 20 bilhões para a União.

Itaipu e Eletronuclear devem ficar de fora

O ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Coelho Filho, informou nesta terça-feira que a hidrelétrica de Itaipu, administrada pelo Brasil junto com o Paraguai, e a Eletronuclear, subsidiária à qual estão vinculados os projetos na área de energia nuclear, deverão ficar de fora da privatização da Eletrobras. O ministro disse também que, com a privatização, as tarifas de energia podem cair no médio prazo para o consumidor.

De acordo com o ministro, a proposta de privatização vai ser entregue nesta quarta-feira (23) para o Programa de Parcerias de Investimento (PPI), órgão do governo Michel Temer que trata de privatizações e concessões. O envio da proposta é um passo inicial do processo.

Proposta de privatização

Pela proposta anunciada pelo governo, será feito um aumento de capital na Eletrobras, do qual o governo não irá participar. Consequentemente, cairá a fatia governamental na empresa. A previsão é que chegue a 47%.

Além da crise econômica e das suspeitas de irregularidades em projetos, como a usina nuclear de Angra 3, investigadas pela Lava Jato, o encolhimento da Eletrobras em valor de mercado também é atribuída à participação em políticas adotadas pelo governo Dilma Rousseff no setor elétrico, entre eles a medida que permitiu o barateamento das contas de luz em 2013.

  • Hoje a União tem 51% das ações ordinárias (com direito a voto) e fatia de 40,99% no capital total da Eletrobras;
  • Além disso, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e seu braço de investimentos, o BNDESPar, têm, juntos, 18,72% do capital total da empresa;

Problemas

O Ministério de Minas e Energia afirma que a decisão de propor a redução da participação da União na Eletrobras ocorre “após profundo diagnóstico sobre o processo em curso de recuperação da empresa.”

A companhia terminou o 2º trimestre com uma dívida líquida de R$ 38,4 bilhões. Segundo a Economatica, a dívida da Eletrobras é a 4ª maior entre as empresas de capital aberto, perdendo só para Petrobras (R$ 295,3 bi), Vale (R$ 73,2 bi) e Oi (R$ 44,5 bi).

“Os problemas decorrem de ineficiências acumuladas nos últimos 15 anos, que impactaram a sociedade em cerca de um quarto de trilhão de reais, concorrendo pelo uso de recursos públicos que poderiam ser investidos em segurança, educação e saúde.”

Papel da Eletrobras

A Eletrobras se transformou em um dos maiores agentes do setor elétrico brasileiro durante o governo dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Participou dos consórcios responsáveis por hidrelétricas como Belo Monte, o maior projeto do país na área de geração de energia elétrica, além da construção de linhas de transmissão.

Entretanto, a Eletrobras registrou perdas nos últimos anos, devido à crise econômica e também às suspeitas de irregularidades em projetos em que estava envolvida – a empresa é alvo da Lava Jato, por exemplo, por indícios de desvios nas obras da usina nuclear de Angra 3.

A participação da Eletrobras em alguns dos projetos do governo Dilma Rousseff, como o que permitiu a redução do preço da energia em 2013, também é apontada como responsável por parte das perdas da estatal.

Uma das medidas adotadas pelo governo Dilma para conseguir baratear a energia foi oferecer às operadoras de hidrelétricas, como a Eletrobras, a renovação dos contratos de concessão dessas usinas. Em troca, porém, elas passaram a receber um valor bem menor pelo serviço.

Apesar de ter ajudado a baratear as contas de luz temporariamente, a adesão da Eletrobras nesse plano reduziu as receitas da empresa com a geração de energia e desvalorizou fortemente suas ações – dois meses depois do anúncio do plano, os papéis da empresa tiveram queda de 20% em apenas um dia.

Já no governo Temer e sob novo comando, a Eletrobras, em forte crise financeira, anunciou um programa de demissão voluntária (PDV). A expectativa é de cortar 50% dos funcionários.

Em junho, durante discussão do plano de reestruturação, o presidente da estatal, Wilson Ferreira Júnior, se referiu a 40% da chefia da empresa como “vagabundos” e “safados”. A repercussão da fala levou o presidente da estatal a pedir desculpas e os sindicatos a promoverem uma greve de 24 horas.

A empresa também propôs um plano para incentivar a aposentadoria de funcionários para economizar R$ 1,5 bilhão ao ano.

Darlan Alvarenga e Fabio Amato, G1, São Paulo e Brasília

O senador Fernando Collor de Mello (PTC-AL) (Foto: Agência Senado)

O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), votou nesta terça-feira (15) pelo recebimento de uma denúncia contra o senador Fernando Collor de Mello (PTC-AL).

Se for seguido pela maioria dos outros ministros da Segunda Turma da Corte, formada por cinco magistrados, o parlamentar se tornará réu num caso envolvendo recebimento de mais de R$ 30 milhões em propina por negócios da BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras na venda de combustíveis.

No voto, o ministro opinou pelo acolhimento da denúncia pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e comando de organização criminosa. Fachin rejeitou a denúncia pelos outros dois crimes dos quais Collor foi acusado: peculato e obstrução de Justiça.

Além de Fachin, devem votar na sessão os ministros Ricardo Lewandowski, Celso de Mello, Gilmar Mendes e Dias Toffoli.

O eventual recebimento da denúncia não significa que o acusado é culpado pelos crimes, mas que o tribunal vê indícios de que ele cometeu delitos.

Uma decisão nesse sentido abre a ação penal, na qual o Ministério Público poderá consolidar as acusações e a defesa apresentar provas de inocência, com depoimentos de testemunhas e contestações jurídicas à denúncia. Só ao final, no julgamento final, o réu é condenado ou absolvido.

A denúncia contra Collor, apresentada em agosto de 2015 pela Procuradoria Geral da República (PGR), origina-se de uma das seis investigações sobre o senador abertas no STF, sendo cinco da Lava Jato e outra baseada na delação da Odebrecht sem relação com a Petrobras.

Acusação

No total, Collor é acusado de cinco crimes: corrupção passiva, lavagem de dinheiro, organização criminosa, peculato e obstrução de Justiça.

A principal acusação é de que, em conjunto com outras pessoas, ele pediu e recebeu, entre 2010 e 2014, pelo menos R$ 30,950 milhões em três negócios envolvendo a BR Distribuidora, que tinha dois diretores indicados pelo senador.

O primeiro, para viabilizar que a rede de postos DVBR Derivados do Brasil passasse a revender combustíveis da BR Distribuidora.

O segundo foi a viabilização de quatro contratos entre a BR e a construtora UTC para construção de bases de distribuição de combustíveis.

O terceiro envolveu contrato de gestão de pagamentos e programa de milhagens da BR com a FTC Cards Processamento e Serviços de Fidelização.

Nos três casos, Collor atuou em conjunto com diversas pessoas, incluindo seu ex-ministro Pedro Paulo Bergamaschi e sua mulher Caroline Serejo, além de outras cinco pessoas, incluindo um ex-assessor parlamentar.

Boa parte da denúncia descreve supostas operações de Collor para ocultar o recebimento da propina, inclusive com a compra de carros luxuosos, imóveis e obras de arte usando dinheiro sujo depositado em suas empresas.

A PGR lista, por exemplo, a compra de:

  • 1 Bentley Continental Flying Spur, por R$ 975 mil;
  • 1 Range Rover SDV8 Vogue, por R$ 570 mil;
  • 1 Ferrari 458, por R$ 1,450 milhão;
  • 1 Porsche Panamera S, pago em espécie, em valor não discriminado;
  • 1 Rolls Royce Phantom, por R$ 1,350 milhão;
  • 1 casa de campo em Campos do Jordão (SP), por R$ 4,5 milhões;
  • 1 terreno litorâneo em Barra de São Miguel (AL), por R$ 450 mil;
  • 4 salas comerciais no edifício The Square Park Office, em Maceió, por R$ 953,7 mil;
  • 1 quadro de Di Cavalcanti e outras obras de arte e antiguidades, por R$ 4,6 milhões;
  • 1 lancha, chamada Mama Mia II, por R$ 900 mil.

O dinheiro teria sido recebido por Collor e sua mulher de diversas maneiras, seja em depósitos no exterior e empresas de fachada, recebimento em espécie, empréstimos fictícios e transferências para a Água Branca e a TV Gazeta, ambas firmas do senador.

Collor é acusado de peculato (desvio de dinheiro público) por nomear em seu gabinete no Senado dois assessores, Cleverton Melo da Costa e Fernando Antônio da Silva Tiago, que não prestariam serviços públicos, mas somente atividades particulares. No total, eles receberam salários que totalizam R$ 327,5 mil por 4 anos.

A acusação de obstrução de Justiça se baseia num pedido de Collor, em agosto de 2014, para devolver créditos depositados em sua conta pessoal. Para a PGR, o objetivo do senador era se desvincular dessas operações para evitar uma investigação sobre o recebimento do dinheiro.

“A denúncia está lastreada em relatórios da própria BR Distribuidora, tem-se quebra de sigilo bancário, análise de mensagens de celulares apreendidos, buscas e apreensões. Em suma, é um conjunto de provas substancioso e não apenas baseado em delações”, disse na sessão a subprocuradora-geral da República Cláudia Sampaio.

Defesa

Na semana passada, em defesa de Collor, o advogado Juarez Tavares afirmou que a denúncia não traz provas concretas de que ele recebeu o dinheiro de propina. Além disso, questionou que contrapartida o senador teria dado para viabilizar os negócios da BR.

“Qual seria o ato de ofício atribuído ao senador para adquirir vantagem? Seria o fato de indicar diretores da BR, o que não é ato de ofício de parlamentar. O que fazia o senador era indicação partidária, desvinculada de ato de ofício. Os diretores não eram nomeados pelo senador, mas pelo presidente da República”, disse o advogado.

Tavares também disse que ele não pode ser condenado por integrar organização criminosa, já que esse crime só foi definido em 2013, após os negócios realizados pela BR.

“Não há nenhuma demonstração de que essa suposta organização criminosa tivesse o mínimo de estabilidade, porque está lastreada em quatro contratos, o que demonstraria fragilidade”, disse o advogado.

Com relação ao peculato, disse não ser possível provar que os funcionários não prestavam serviços públicos, já que trabalhariam no escritório político do senador em Alagoas. Quanto à obstrução de Justiça, disse que Collor pediu para devolver valores que já estavam apreendidos.

Além de Collor, também são acusadas outras sete pessoas por suspeita de integrar o mesmo grupo. São eles:

  • Caroline Serejo Medeiros Collor de Mello, mulher do senador e acusada de lavagem de dinheiro recebido de propina;
  • Pedro Paulo Bergamaschi de Leoni Ramos, ex-ministro do governo Collor e considerado operador de Collor em diversos negócios;
  • Luís Pereira Duarte de Amorim, diretor da Gazeta de Alagoas, apontado como testa de ferro e recebedor de propina para Collor;
  • Fernando Antônio da Silva Tiago, auxiliar parlamentar, acusado de lava dinheiro para o senador;
  • Eduardo Bezerra Frazão, diretor financeiro de empresas de Collor, acusado de lavagem de dinheiro de propina;
  • Luciana Guimarães de Leoni Ramos, acusada de lavagem de dinheiro de dinheiro de propina;
  • William Dias Gomes, assessor parlamentar, acusado de lavagem de dinheiro por operar depósitos para o senador.

O Rio Grande do Norte está presenta hoje (22) na quarta e última edição da Experiência Braztoa, promovido pela Associação Brasileira das Operadoras de Turismo. Desta vez o evento estaciona na capital mineira Belo Horizonte.

Essa série de eventos turísticos com duração de um dia e promovidos em diferentes cidades do Brasil visa a integração entre operadores, destinos e agentes, em formato mais atrativo para geração de negócios.

O Estado potiguar participa do evento com estande e oferecerá o diferencial de um coquetel de encerramento, para ressaltar a divulgação dos cinco polos turísticos do Estado em mais um mercado ainda pouco explorado, a exemplo de Goiás e Paraná, outros dois destinos que receberam a Experiência Braztoa nas últimas semanas.

A ação é uma iniciativa do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Turismo (Setur RN) e da Empresa Potiguar de Promoção Turística (Emprotur), com recursos do Governo Cidadão mediante acordo de empréstimo com o Banco Mundial.

“O Sudeste brasileiro é importante emissivo de turistas, e estar presente na Experiência Braztoa, que acontece em Minas Gerais é ótima oportunidade para fortalecer esse mercado, já que também estão presentes agendes de viagens dos estados vizinhos”, comenta o secretário estadual de Turismo, Ruy Gaspar.

A subsecretária de Turismo, Solange Portela, e a gerente de Promoção Nacional da Emprotur, Ana Rita Couto, representam o Estado potiguar nas rodadas de negócio. Além do trade mineiro, também estarão presentes caravanas do Rio de Janeiro e São Paulo, e uma expectativa de mais de 200 agentes de viagem.

“Apenas o Rio Grande do Norte e Pernambuco representam o Nordeste neste evento. É uma excelente oportunidade para mostrarmos nossos destinos para esse mercado que ainda precisa descobrir os encantos nordestinos”, ressalta Solange Portela.

A Setur RN e a Emprotur também participaram das três primeiras edições da Experiência Braztoa, em Recife (PE), Curitiba (PR) e Rio Quente (GO).

 

A Secretaria de Estado da Educação e da Cultura (SEEC) e o Instituto Unibanco realizam nesta quarta-feira (23), em Natal, o evento Diálogos sobre Gestão Escolar, que reunirá cerca de 300 estudantes e 60 profissionais da educação como professores, coordenadores pedagógicos, diretores e dirigentes regionais, no hotel Holiday Inn Natal. O objetivo do encontro é promover o diálogo entre estudantes e gestores escolares para estimular a participação dos jovens na gestão de suas escolas, com foco na melhoria da aprendizagem.

Os participantes do evento fazem parte das 143 escolas de Ensino Médio do estado que integram o programa Jovem de Futuro, desenvolvido pelo Instituto Unibanco em parceria com a SEEC, com o intuito de melhorar o desempenho da educação no Rio Grande do Norte por meio do aprimoramento contínuo da gestão escolar.

Durante o encontro, com duração de oito horas, os participantes irão se debruçar sobre os principais desafios e fatores que dificultam a aprendizagem em sala de aula. Para tanto, serão formados grupos que farão atividades com base em um roteiro e o apoio de especialistas: os estudantes vão discutir sobre como potencializar a participação dos jovens na escola, e os gestores, sobre como viabilizar essa participação.

Metodologia

A programação segue o método de cartografia afetiva, que consiste na reflexão sobre os principais desafios a serem enfrentados a partir de uma representação gráfica de uma escola. Em um segundo momento, os participantes expressam suas visões sobre escola e gestão, utilizando diversas linguagens, como produção de cartazes, fanzines, vídeo, teatro e música.

 

Essa é a segunda edição do Diálogos sobre Gestão Escolar, que no ano passado envolveu mais de 2.100 estudantes do Ensino Médio em encontros realizados nos outros cinco estados nos quais o Jovem de Futuro é desenvolvido (Pará, Piauí, Goiás, Espírito Santo e Ceará).

Na semana passada, dia 17 de agosto, cerca de 400 gestores e assessores pedagógicos da rede iniciaram uma reflexão sobre esse tema durante o Seminário Participação e Aprendizagem.

Nunca me Sonharam

Na noite desta terça-feira (22) haverá uma exibição exclusiva do documentário “Nunca me sonharam” aos estudantes, gestores e técnicos da rede que participarão do Diálogos sobre Gestão Escolar. A exibição será ás 17h30 e acontece no hotel onde ocorrerá o evento.

O filme traça um amplo panorama do Ensino Médio nas escolas públicas do Brasil sob diferentes pontos de vista, mas principalmente a partir dos estudantes. O longa é apresentado pelo Instituto Unibanco, produzido pela Maria Farinha Filmes (Muito Além do Peso, O Começo da Vida, entre outros) e dirigido por Cacau Rhoden. Foi filmado em mais de dez estados do Brasil.

 

“O dinheiro que recebo por mês não dá para fazer uma grande feira e sustentar a casa. Agora, com esse café, vou conseguir oferecer uma alimentação melhor para meus filhos”, contou emocionada, a dona de casa, Iria Félix Lima. Ela é uma das beneficiadas com o programa Café Cidadão, que teve uma nova unidade inaugurada nesta segunda-feira (21) pelo governador Robinson Faria e primeira dama e secretária do Trabalho, Habitação e Assistência Social (Sethas), Julianne Faria, no município de Goianinha, Região Agreste do RN.

Essa é uma das 12 unidades que estão sendo entregues neste semestre pelo Governo do Estado. Os novos cafés representam um aumento de 62 mil refeições por mês.

Na oportunidade, o chefe do Executivo estadual ainda anunciou a chegada de Restaurante Popular e o programa Transporte Cidadão ao município.

Robinson Faria afirmou que os programas chegam a Goianinha para beneficiar a população que mais precisa. “Todos os dias serão servidos 300 cafés para os moradores da cidade e região Agreste. Além disso, em breve, traremos também o Restaurante Popular, para oferecer comida nutritiva para as famílias. É nosso governo investindo na cidadania e melhoria da vida das mães e pais de família do Rio Grande do Norte”, ressaltou o governador.

A unidade de Goianinha vai funcionar de segunda a sexta-feira, das 6h às 8h, com café da manhã pelo valor simbólico de R$ 0,50 (cada). De acordo com a titular da Sethas, Julianne Faria, outra licitação vai contemplar mais 10 cafés em nove municípios. “O Rio Grande do Norte é o único estado do país que conseguiu utilizar os recursos do Fundo de Combate a Fome e à Desnutrição para expandir os programas, o que mostra nosso comprometimento com a população mais carente”, disse Julianne.

O prefeito de Goianinha, Berg Lisboa, avaliou que o programa “fará a diferença por ser uma opção de nutrição de qualidade e baixo custo para os moradores e trabalhadores de Goianinha”.

www.scriptsell.net